Statoil limita perfurações em Peregrino em meio aos preços baixos de petróleo

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 15:36 BRST
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A norueguesa Statoil decidiu limitar o ritmo das perfurações de poços no campo de Peregrino, na Bacia de Campos, em busca de redução de custos, o que poderá trazer algum impacto na produção, ainda que não considerado relevante, em meio aos baixos preços do petróleo.

Para isso, a empresa resolveu substituir as duas equipes de perfuração que atuavam paralelamente nas duas plataformas fixas de produção do campo por apenas uma equipe unificada que irá se alternar entre as unidades conforme o cronograma da empresa.

"As atividades de perfuração e produção continuarão em ambas as plataformas no campo do Peregrino, mas limitadas a uma operação de perfuração em qualquer ponto em tempo", afirmou a companhia à Reuters, após questionamentos feitos com base em uma informação de mercado.

Peregrino entrou em operação em 2011 e produz atualmente entre 90 e 95 mil barris de óleo equivalente ao dia, segundo a empresa. Além disso, é o oitavo maior campo produtor de petróleo do Brasil, segundo os últimos dados publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Questionada sobre qual deve ser o impacto das medidas na produção da companhia, a empresa evitou falar em volumes.

"Nós não estamos esperando um declínio relevante devido a essa iniciativa", afirmou a empresa.

A Statoil acrescentou que está perfurando um poço na plataforma B neste momento e estão previstos mais poços, em ambas as plataformas, ao longo do ano.

A norueguesa é a operadora de Peregrino, com 60 por cento de participação, e tem como sócia a chinesa Sinochem, que detém os outros 40 por cento.   Continuação...