Paralisação cancela e atrasa voos em principais aeroportos do país

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016 08:00 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A paralisação deflagrada por aeroviários e aeronautas nesta quarta-feira levou ao atraso de 13,5 por cento e ao cancelamento de 14,1 por cento dos voos domésticos do país até as 7:00, de acordo com dados da Infraero, em meio à briga das categorias com as empresas aéreas por reajuste salarial retroativo à data-base.

Os dados não incluem os aeroportos de Guarulhos (SP), Belo Horizonte/Tancredo Neves (MG) e São Gonçalo do Amarante (RN). De acordo com a concessionária do aeroporto de Guarulhos, de 87 voos programados, 1 voo foi cancelado e 2 decolagens estavam atrasadas em mais de meia hora até as 7h30.

A previsão era de que a paralisação atingisse os aeroportos de Congonhas (SP), Guarulhos (SP), Santos Dumont (RJ), Galeão (RJ), Viracopos (SP), Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza.

A previsão dos aeronautas é de que o impacto fosse em torno de 200 voos das 6h às 8h, período previsto da paralisação, de acordo com o vice-presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Rodrigo Spader.

Segundo ele, esse número cumpre com folga liminar do Tribunal Superior do Trabalho determinando que 80 por cento do efetivo fosse mantido, em resposta a pedido do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA).

Os aeronautas e aeroviários rejeitaram proposta de reajuste de 11 por cento nos salários feita pelas empresas aéreas por prever parcelamento do reajuste, que não seria retroativo até a data-base de 1º de dezembro.

Após a manifestação, Spader afirmou que seriam realizadas assembleias em cinco cidades para definir quais os próximos passos.

A TAM, do grupo Latam Airlines, disse que aproximadamente 12 voos da companhia foram impactados até as 6h30. A companhia liberou as taxas de remarcação e a diferença de tarifas para que passageiros com voos domésticos agendados entre 6h e 18h ou internacionais entre 6h e 8h antecipem os voos ou posterguem sua viagem em até 15 dias.

A Gol, por sua vez, disse que teve sua operação impactada, "gerando alguns atrasos e cancelamentos", acrescentando que passageiros podem remarcar viagens, sem taxas e de acordo com a disponibilidade, ou solicitar reembolso integral de suas passagens.   Continuação...