Grandes empresas aéreas permitirão a tripulantes evitar áreas afetadas por Zika

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016 13:40 BRST
 

Por Jeffrey Dastin

(Reuters) - Grandes empresas aéreas como as norte-americanas United  e Delta  e as europeias Lufthansa e Air France  se dispuseram a transferir determinados tripulantes temerosas de contrair o Zika vírus em países afetados pela doença para outras rotas.

A política das companhias norte-americanas, mostra como o vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, ligado a milhares de casos de má-formação craniana no Brasil, assoma como tema preocupante não somente para os passageiros, mas também para comissários de bordo e pilotos.

Em um memorando interno de 28 de janeiro visto pela Reuters, a United afirmou que as comissárias grávidas, assim como aquelas que desejam engravidar, podem mudar suas rotas para evitar as regiões atingidas pelo Zika sem temor de repercussões. A empresa oferece opções semelhantes para as pilotos, disse Charles Hobart, porta-voz da United Continental Holdings Inc, companhia do mesmo grupo, à Reuters na quarta-feira.

A Delta Air Lines Inc também permite que seus funcionários troquem de itinerário desde o dia 17 de janeiro, e "até o momento um pequeno número de tripulantes trocou suas viagens", segundo seu porta-voz, Morgan Durrant.

"Temos uma preocupação imediata com a saúde de nossos membros", afirmou Sara Nelson, presidente internacional da Associação de Comissários de Bordo-CWA, quando instada a comentar o memorando da United.

"Esta questão está mudando em um ritmo bem rápido, (e) é importante que estas atualizações continuem acontecendo", disse ela, acrescentando que as empresas do setor parecem estar reagindo mais rápido aos temores de seus empregados do que em epidemias anteriores, como o surto de Ebola de 2014.

Na Europa, os regulamentos de segurança exigem que pilotos e comissárias de bordo sejam realocados para tarefas em solo quando estiverem grávidas.

Lufthansa e Air France também informaram que já ofereceram aos tripulantes com quaisquer reservas a respeito de voarem a um destino em particular a chance de mudar de turno. A empresa francesa ressaltou que fez o mesmo durante a crise de Ebola.

Na quinta-feira, a porta-voz da Lufthansa declarou que até agora poucos tripulantes trocaram de rota em função dos temores com o Zika.

(Reportagem adicional de Victoria Bryan em Berlim)

 
Mosquito Aedes aegypti  em laboratório de Cali, na Colômbia. 02/02/2016 REUTERS/Jaime Saldarriaga