Dólar cai 0,61% e fecha abaixo de R$3,90, de olho em Fed

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016 17:17 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda e voltou abaixo de 3,90 reais nesta quinta-feira, reagindo à percepção de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, não deve aumentar os juros tão cedo.

O dólar recuou 0,61 por cento, a 3,8941 reais na venda, renovando a mínima de fechamento desde 29 de dezembro, quando ficou em 3,8769 reais. Na mínima desta quinta-feira, a moeda norte-americana atingiu 3,8449 reais.

Turbulências nos mercados financeiros globais, dados fracos sobre a economia norte-americana e declarações de autoridades do Fed vêm alimentando apostas de que o banco central norte-americano pode demorar para aumentar os juros novamente.

Essa percepção tende a favorecer mercados emergentes, que manteriam sua atratividade diante de juros ainda baixos na maior economia do mundo.

"Se todo esse ambiente financeiro difícil que vimos no começo do ano levar o Fed a adiar o aumento de juros, isso pode acabar sendo positivo para nós", disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold.

O real tem tido desempenho melhor do que seus pares desde o início deste ano. Embora analistas sejam praticamente unânimes ao afirmar que o dólar deve eventualmente voltar a subir, alguns já começam a levantar a possibilidade de um alívio no curto prazo.

O Nomura Securities ressaltou em relatório que a correção das contas externas do Brasil tem sido forte desde o início do ano passado.

"Não vemos isso como condição suficiente para garantir uma visão positiva para o real, mas acreditamos que esse ajuste das contas externas desempenha um papel em limitar a depreciação daqui em diante", escreveu o economista João Pedro Ribeiro. Ele projeta que o dólar deve terminar o ano a 4,20 reais.

Essa percepção não é unânime, porém, e alguns operadores nas mesas de câmbio suspeitam que o bom desempenho do real teria sido influenciado por grandes operações pontuais envolvendo títulos cambiais, possivelmente conduzidas por bancos públicos.   Continuação...