5 de Fevereiro de 2016 / às 19:34 / 2 anos atrás

BB já desembolsou R$3,6 bi a pequenas e médias empresas em plano de crédito a cadeias produtivas

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco do Brasil está intensificando a concessão de empréstimos a empresas médias e pequenas por meio de acordos regionais e setoriais com companhias 'âncoras', que repassam pagamentos de fornecedores ao próprio banco.

Inspirado numa iniciativa semelhante para fornecedores da Petrobras, há cinco anos, o programa lançado em agosto já desembolsou mais de 3,6 bilhões de reais, disse o vice-presidente de controles internos e gestão de risco do BB, Walter Malieni Júnior.

Segundo o executivo, a iniciativa foi o caminho encontrado pelo BB para manter ativos os canais de crédito para empresas menores, um dos segmentos mais vulneráveis a ciclos econômicos adversos e que tem sido dos mais importantes vetores de deterioração da qualidade da carteira dos bancos.

"É uma engenharia que nos ajuda a ter maior controle sobre a inadimplência e detectar setores e regiões mais promissores", disse Malieni Júnior à Reuters.

O programa tem adiantado recursos por um período de sete a 90 dias. O empréstimo é liberado após a 'âncora' confirmar para o banco que fez encomenda para a empresa que pediu o crédito. O pagamento é feito por meio uma conta gerida pelo próprio BB.

Dos 382 acordos firmados pelo banco no âmbito do programa, alguns dos mais ativos estão ligados ao agronegócio e a exportações, que têm conseguido passar com menos embaraço pela recessão do país, ou mesmo se beneficiado da alta do dólar.

Quando anunciou o programa em agosto passado, o BB afirmou que a iniciativa tinha como um dos principais alvos fornecedores de componentes ao setor automotivo, importante empregador do país. A estimativa de recursos informada na época pelo BB para o segmento até o final de 2015 era de até 3,1 bilhões de reais. Considerando o apoio a outros setores, os recursos disponíveis para o programa eram de até 9 bilhões de reais.

Segundo o executivo, desde agosto mais de 12,5 mil empresas fizeram empréstimos por meio dessa estrutura, que o banco chama de elos produtivos, dentro dos 382 acordos acertados com as empresas âncoras. Malieni disse que 7,9 por cento dos recursos concedidos foram para autopeças.

"Os 9 bilhões de reais não era previsão de negócios fechados, só o disponível. Estamos satisfeitos com o resultado", afirmou o executivo.

Sem ativos que possam ser apresentados como garantia ao pedir empréstimos para capital de giro, por exemplo, empresas de pequeno e médio portes têm sido preteridas pelos bancos na concessão de novos empréstimos.

Esse movimento ficou expresso nos balanços mais recentes. Em 2015, o estoque de empréstimos do Bradesco para o setor encolheu 5,3 por cento, no Itaú Unibanco houve recuo de 1,7 por cento. No caso do BB, o crédito desse segmento diminuiu 6,2 em 12 meses até setembro, último número disponível. O Banco do Brasil divulga resultado do ano passado em 24 de fevereiro.

Por Aluísio Alves

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below