Centro-sul eleva moagem de cana com tempo seco favorecendo usinas em dificuldades

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016 12:46 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - As usinas de açúcar e etanol do centro-sul do Brasil voltaram a acelerar os trabalhos de moagem na segunda quinzena de janeiro, com um tempo mais seco favorecendo as atividades de unidades em dificuldades financeiras que buscam operar nesta época de entressafra para gerar caixa.

O processamento de cana na segunda metade do mês passado atingiu 3,93 milhões de toneladas, um volume relativamente baixo na comparação com os meses de pico de safra, mas 115 por cento acima da quinzena anterior e 380 por cento acima do mesmo período no ano passado, informou a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) nesta quinta-feira.

Com o prolongamento dos trabalhos, o centro-sul deverá moer um volume recorde de cana de mais de 600 milhões de toneladas na safra 2015/16 (abril/março).

Até o final de janeiro, a moagem havia somado 599,9 milhões de toneladas, alta de 5,2 por cento ante o mesmo período da temporada anterior.

"Essa situação desse primeiro trimestre não é típica, reflete a situação financeira das usinas, e particularmente das usinas que estão moendo", comentou o consultor Júlio Maria Borges, da Job Economia, ressaltando que as empresas que operam nesta época de custos mais altos o fazem porque não têm outra alternativa para gerar caixa.

Ele observou também que a segunda quinzena de janeiro foi mais seca, e isso favoreceu as unidades que estão em operação.

"O começo de fevereiro está tendo chuvas alternadas com sol, não é tão bom quanto a segunda quinzena de janeiro, mas permite a moagem", acrescentou.

O analista, no entanto, avalia que essa condição não deverá alterar significativamente os números finais da safra 15/16.

A Unica ressaltou em nota nesta quinta-feira que, seguindo orientação do Ministério da Agricultura, a produção realizada pelas unidades produtoras até 31 de março de 2016 será contabilizada nos dados da safra 2015/16.   Continuação...