ENTREVISTA - Estatal gaúcha de energia CEEE descarta privatização, mas venderá ativos

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016 18:10 BRST
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal gaúcha de energia CEEE não deverá ser privatizada, mas venderá imóveis e participações em usinas e linhas de transmissão como parte de um plano para levantar 1 bilhão de reais até 2017, montante que será utilizado principalmente para recuperar a unidade de distribuição de eletricidade do grupo, afirmou o presidente da companhia, Paulo de Tarso.

Em meio a um cenário de dificuldades financeiras e de um colapso das finanças do Rio Grande do Sul, a estatal é vista por especialistas como candidata a uma privatização, mas Tarso disse à Reuters que a venda da companhia não está nos planos neste momento.

"Não está no radar desta gestão e não foi essa a encomenda que recebemos do acionista controlador, mas sim recuperar a empresa", declarou Tarso.

Ainda assim, ele admitiu que o cenário do setor elétrico é muito difícil e não permite traçar cenários com clareza quanto ao assunto.

"Diria que isso (privatização) está tão no radar para nós quanto para a Eletrobras, que obviamente passa pela mesma posição (de dificuldades financeiras) e também como empresa pública está buscando alternativas", disse.

A Eletrobras submeteu ao governo federal uma proposta para vender sete distribuidoras de energia até o final deste ano. A União aprovou apenas a privatização da goiana Celg-D, adiando uma decisão sobre as demais vendas.

A Eletrobras é acionista minoritária da elétrica gaúcha, com pouco mais de 30 por cento do capital. A CEEE não está nos planos de venda da estatal federal de energia.

Na companhia gaúcha, o braço de geração e transmissão (CEEE-GT) possui quase 1 gigawatt em hidrelétricas, além de fatias minoritárias em parques eólicos e 6 mil quilômetros de linhas de energia.   Continuação...