Petróleo aliviou custo com térmicas a óleo e diesel em R$2 bi em 2015, diz consultoria

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016 16:14 BRST
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A derrocada do preço internacional do petróleo reduziu em cerca de 2 bilhões de reais no ano passado o custo enfrentado pelo Brasil com o uso das termelétricas mais caras, movidas a óleo e diesel, em tendência que deve continuar em 2016, afirmou à Reuters uma consultoria especializada.

O custo de operação de térmicas a óleo e diesel é definido por uma fórmula que inclui variáveis como o preço do petróleo Brent, que desde os picos de 2014 até hoje registrou baixa de cerca de 70 por cento, queda que mais do que compensou o câmbio, outro fator que é levado em consideração no cálculo.

"Em 2015 houve uma queda anual em torno de 20 por cento no custo médio de combustível (das térmicas) mesmo com uma apreciação do dólar em torno de 40 por cento", afirmou o sócio da consultoria Esfera Energia, Braz Justi, nesta segunda-feira.

A Esfera Energia calcula que o país gastou cerca de 7,3 bilhões de reais em combustíveis para as térmicas a óleo e diesel em 2015, ano em que essas usinas ficaram ligadas praticamente todo o tempo para garantir o suprimento em um momento em que as hidrelétricas sofriam com reservatórios em baixos níveis devido à seca.

Esse conjunto de térmicas representa cerca de 3,5 mil megawatts em capacidade instalada, dos quais cerca de 26 por cento movidas a diesel, segundo a consultoria.

Em 2014, quando as térmicas também passaram o ano ligadas e geraram mais energia que em 2015, o custo foi de 11,5 bilhões de reais.

Em 2016, a Esfera estima que usinas a diesel já tiveram queda de 9,5 por cento no custo, enquanto as a óleo combustível viram redução de 27,5 por cento.

O petróleo é negociado atualmente em cerca de 33 dólares o barril, enquanto alguns analistas estimam que a commodity pode chegar à casa dos 20 dólares o barril neste ano, caso a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) não feche um acordo para redução da oferta.   Continuação...