Fila de navios de grãos nos portos do Brasil dispara com câmbio e atrasos

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016 17:55 BRST
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - A fila de navios para carregar grãos nos portos brasileiros, no momento de início dos embarques da nova temporada de soja, está mais de duas vezes maior que a registrada um ano atrás, devido a atrasos em alguns terminais e à grande demanda por produtos brasileiros, cuja competitividade tem se elevado junto com a cotação do dólar.

Atualmente há 163 navios escalados para carregar soja e milho nos portos brasileiros até abril, com volume total previsto de 9,73 milhões de toneladas, ante 66 navios e 4,1 milhões de toneladas em meados de fevereiro de 2015, segundo dados da agência marítima Williams analisados pela Reuters.

Para a soja, o lineup prevê 7,51 milhões de toneladas, alta anual de 104 por cento, e para o milho a escala é de 2,22 milhões de toneladas, crescimento de 414 por cento.

"As tradings estão muito cobertas. Conseguiram fazer muitos contratos para entrega em fevereiro e março", disse o analista Aedson Pereira, da Informa Economics FNP, destacando que ao longo de 2015 houve volumoso fechamento de vendas antecipadas, com a ajuda do câmbio favorável.

O dólar fechou 2015 com alta de 48,5 por cento ante o real, o maior avanço em 13 anos.

"Com esse dólar que tivemos, o Brasil foi mais competitivo e fechou volumes talvez mais rápido e maiores que em outras épocas", afirmou o diretor de inteligência de mercado da corretora Cerealpar, Steve Cachia.

O considerável aumento da escala para embarques de milho --619 mil toneladas em março de 2016 ante 60 mil em março de 2015--, algo incomum para essa época, é um indicador de que a atual fila de navios também é decorrente de atrasos registrados desde o fim do ano passado, principalmente no Sul e no Sudeste.

Em Paranaguá (PR), um dos principais complexos portuários do país, o tempo de espera para carregamento está atualmente em torno de 50 a 60 dias. Um ano atrás a demora era de cerca de 20 dias.   Continuação...