Varejo no Brasil fecha 2015 com queda histórica de 4,3% e fraqueza continua em 2016

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016 11:34 BRST
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - As vendas no varejo brasileiro registraram em 2015 sua maior queda histórica, primeiro resultado negativo desde 2003 puxado por perdas em segmentos importantes como móveis, eletrodomésticos e combustíveis, e só deve começar a mostrar indícios de recuperação no segundo semestre deste ano.

No ano passado, as vendas caíram 4,3 por cento sobre 2014, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira, em meio ao cenário de forte recessão.

Este é o pior resultado na série histórica iniciada em 2001 e a primeira queda desde o recuo de 3,7 por cento visto em 2003, reflexo da economia em forte recessão agravada por confiança muito fraca e juros elevados.

"Ainda vemos crédito restrito, juros alto, queda real da renda. No primeiro semestre (deste ano), o varejo ainda vai ter números bem negativos. Para o segundo semestre, a expectativa é de algum arrefecimento da queda", disse a economista do Banco ABC Brasil Natalia Cotarelli, projetando queda de 2,6 por cento do varejo este ano.

Somente em dezembro passado, ainda segundo o IBGE, a atividade teve recuo de 2,7 por cento contra novembro, resultado mais fraco em um ano, registrando queda de 7,1 por cento sobre o mesmo mês do ano anterior.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de recuo de 2,50 por cento na comparação mensal e de 7,05 por cento sobre um ano antes.

O setor varejista brasileiro foi se deteriorando mês a mês em 2015, em meio à inflação que alcançou dois dígitos, restrição de crédito, renda menor dos trabalhadores, desemprego em alta e juros elevados.

  Continuação...

 
Mulher em loja de móveis e eltrodomésticos em São Paulo. O IBGE informou nesta terça-feira que o pior desempenho no volume de vendas entre as atividades no varejo restrito em 2015 ficou para móveis e eletrodomésticos, com queda de 14 por cento. 07/02/2013 REUTERS/ Nacho Doce