S&P volta a rebaixar rating do Brasil e aumenta distância do selo de bom pagador

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016 20:40 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixou nesta quarta-feira o rating do Brasil para "BB", de "BB+", alertando para desafios políticos e econômicos consideráveis, deixando o Brasil ainda mais longe do selo de bom pagador.

A S&P advertiu que pode piorar ainda mais a classificação ao atribuir a perspectiva negativa ao rating. O rebaixamento, disse a S&P, reflete a visão de que o perfil do país enfraqueceu desde setembro, quando a agência tirou o selo de bom pagador do país.

"Os desafios econômicos e políticos que o Brasil enfrenta permanecem consideráveis. Nós agora esperamos um processo de ajuste mais prolongado, com uma correção mais lenta na política fiscal, assim como outro ano de contração econômica acentuada", disse a S&P em comunicado.

O Brasil segue enfrentando dificuldades para equilibrar as contas públicas e a meta de superávit primário, equivalente a 0,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), é considerada de difícil cumprimento por economistas e até mesmo por membros da equipe econômica.

Neste cenário, o governo discute o tamanho do corte no orçamento e um limite para aumento dos gastos, enquanto busca formas de aumentar a arrecadação em meio às dificuldades para avançar o ajuste fiscal no Congresso. Além disso, há ainda a discussão dentro do governo sobre a criação de bandas para a meta fiscal.

A S&P prevê déficit primário de cerca de 1 por cento este ano e em 2017, com o governo voltando a fechar as contas no azul somente em 2018.

A perspectiva negativa indica que há grande chance de um novo corte no rating devido ao risco de mudança na política, devido à dinâmica e à inconsistência de iniciativas, ou como resultado de uma turbulência econômica maior do que esperada.

O Brasil tem agora a mesma nota que Bolívia e Paraguai, mas com a perspectiva pior. A S&P atribui perspectiva estável à nota da Bolívia e positiva à do Paraguai.

Do lado positivo, a S&P citou as contas externas do Brasil, que estão se ajustando mais rápido do que o previsto.   Continuação...

 
Prédio da Standard & Poor's no distrito financeiro em Nova York. 05/02/2013 REUTERS/Brendan McDermid