BTG Pactual discute união da unidade BSI com a suíça EFG, dizem fontes

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016 07:07 BRST
 

Por Tatiana Bautzer e Joshua Franklin

SÃO PAULO/ZURIQUE (Reuters) - O BTG Pactual está em negociações para combinar sua unidade suíça BSI com a EFG International, numa transação que pode ser anunciada na próxima semana, disseram duas fontes com conhecimento do assunto nesta sexta-feira.    O negócio deixaria o BTG Pactual com uma fatia de 20 a 30 por cento na entidade combinada, disse a primeira fonte, que pediu anonimato já que a negociação é sigilosa. A decisão se o EFG vai incorporar o BSI ou o contrário, será feita com base na estrutura fiscal mais eficiente, disse a fonte.    O BTG Pactual pode receber parte do pagamento em dinheiro, disseram as fontes. O EFG e o BTG Pactual concordaram em não ajustar o valor do negócio se o BSI tiver que pagar uma multa relacionada a um escândalo em um conturbado fundo do governo malaio, o 1Malaysia Desenvolvimento Bhd, disse a fonte.    O negócio ajudaria BTG Pactual a seguir adiante com as vendas de ativos, levantando dinheiro para restaurar a confiança dos investidores na esteira da prisão do fundador André Esteves, em novembro.

Esteves arquitetou a compra de BSI pelo BTG Pactual no ano passado, dizendo que isso ajudaria o banco de investimentos a crescer além da América Latina.    Um preço tem ainda deve ser definido, embora a primeira fonte disse que o BSI poderia ser avaliado em 1,6 bilhão de dólares antes de uma combinação.    De acordo com a segunda fonte, que foi informada sobre o assunto, a EFG está falando com o regulador financeiro suíço sobre o impacto de uma combinação, uma vez que o BSI é o empregador na região suíça de Ticino.    BTG Pactual e EFG, controlada pelo grego multimilionário Spiros Latsis, estão em negociações exclusivas há cerca de um mês, disse a primeira fonte.    Um porta-voz do BTG Pactual não fez comentários de imediato, assim como EFG e BSI.