Dólar cai a R$3,95 por bom humor com China e petróleo

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016 12:12 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar recuava à casa dos 3,95 reais nesta segunda-feira, após a China adotar novas medidas para enfrentar a turbulência nos mercados financeiros e em meio a nova alta dos preços do petróleo, que alimentavam a procura por ativos de maior risco.

Às 12:11, o dólar recuava 1,65 por cento, a 3,9570 reais na venda, após avançar 0,83 por cento na semana passada. Na mínima desta sessão, a moeda chegou a 3,9452 reais.

"A semana começa com um tom favorável nos mercados internacionais. Resta saber se vai durar, porque o mercado tem estado muito volátil nas últimas semanas", disse o superintendente regional de câmbio da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa.

No fim de semana, a China removeu o chefe da agência reguladora de mercados de capitais e indicou em seu lugar um alto executivo do setor bancário. Sinais de que o governo chinês está intensificando seus estímulos também contribuíam para o bom humor.

Outro fator positivo era a alta dos preços do petróleo, após a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) informar que espera que a produção de xisto nos Estados Unidos recue neste ano e no próximo, possivelmente aliviando a sobreoferta global.

No cenário local, investidores continuavam apreensivos com as perspectivas fiscais para o Brasil, após o governo anunciar propostas que abrem espaço para novo déficit primário em 2016.

"Não tem como fugir, o câmbio vai continuar volátil por bastante tempo. O governo ainda não tem credibilidade com o mercado e isso faz o investidor trabalhar no curtíssimo prazo", disse o operador de uma corretora internacional.

Nesta manhã, o Banco Central promoveu mais um leilão de rolagem dos swaps que vencem em março, vendendo a oferta total de 11,9 mil contratos. Ao todo, a autoridade monetária já rolou 7,544 bilhões de dólares, ou cerca de 75 por cento do lote total, que equivale a 10,118 bilhões de dólares.

(Por Bruno Federowski)

 
Notas de dólar e real em casa de câmbio no Rio de Janeiro. 10/09/2015 REUTERS/Ricardo Moraes