Déficit em transações correntes do Brasil cai 60% em janeiro, em meio à recessão

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016 13:45 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou déficit em transações correntes de 4,817 bilhões de dólares em janeiro, 60,4 por cento menor sobre igual mês de 2015, movimento ditado sobretudo pela balança comercial, menores gastos com viagens internacionais e remessas de lucros em meio ao cenário de recessão cada vez mais intensa. O resultado, mostrou nesta terça-feira o Banco Central, foi inteiramente coberto pelos Investimentos Diretos no País (IDP), que somaram 5,455 bilhões de dólares no mês. O déficit foi também o menor para janeiro desde 2010, início da série histórica do BC. Em pesquisa Reuters, analistas estimavam IDP de 4,95 bilhões de dólares e rombo na conta corrente de 5,9 bilhões de dólares.

Em 12 meses, o déficit em transações correntes foi a 2,94 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), melhorando em relação ao patamar de 3,32 por cento no acumulado até dezembro.

Assim como ocorreu no ano passado, a redução do déficit em janeiro foi puxada também pela balança comercial, que veio positiva na esteira da fraca atividade econômica. Com o dólar mais forte sobre o real e consumidores mais receosos, as importações seguem caindo em ritmo mais intenso que as exportações. Em janeiro, o superávit comercial foi de 643 milhões de dólares, contra déficit de 2,865 bilhões de dólares um ano antes. O quadro de recessão e o dólar caro também tem feito os brasileiros gastarem menos no exterior. Em janeiro, as despesas líquidas com viagens internacionais somaram 190 milhões de dólares, queda de 88,6 por cento sobre um ano antes.

O mesmo afeta as remessas de lucros e dividendos, que despencaram 71,5 no período, a 312 milhões de dólares, ainda segundo o BC. No ano passado, o BC previu que o déficit em transações correntes do país cairá a 41 bilhões de dólares em 2016, frente aos 58,9 bilhões de dólares em 2015, o menor desde 2010. O resultado melhor no saldo em transações externas reduz a necessidade de financiamento internacional do país, no momento de volatilidade dos mercados, com desaceleração econômica na China, queda no preço de commodities e dúvidas sobre a política monetária nos Estados Unidos.

Para fevereiro, o BC projeta que o déficit em transações correntes no país ficará em 1,5 bilhão de dólares e o IDP em 4,5 bilhões de dólares.

"Nossa projeção de déficit em transações correntes para 2016 já está se mostrando conservadora", afirmou o chefe do departamento Econômico do BC, Tulio Maciel.

(Por Marcela Ayres)

 
Edifício do Banco Central em Brasília. 09/12/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino