Lucro da CCR cai no 4º tri com queda no tráfego e aumento do serviço da dívida

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016 20:17 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A empresa de concessões de infraestrutura CCR teve queda no lucro do quarto trimestre, afetada por menor tráfego em estradas que administra e maior custo do serviço da dívida

A empresa informou nesta quinta-feira que teve lucro líquido de 244,8 milhões de reais no quarto trimestre, queda de 36,2 por cento ante mesmo período de 2014.

O resultado operacional da CCR medido pelo Ebitda (lucro antes de impostos, juros, amortização e depreciação) ajustado ficou em 984,5 milhões de reais, recuo de 4,1 por cento na comparação ano a ano. A margem Ebitda ajustada caiu 9 pontos percentuais, para 58,2 por cento.

"Os números refletem em parte a queda na atividade econômica do país", disse à Reuters o gerente de relações com investidores da CCR, Marcos Macedo. O tráfego nas rodovias administradas pela companhia caiu 4,4 por cento no quarto trimestre.

Além disso, a dívida líquida da empresa subiu do equivalente a 2,4 vezes para 3,2 vezes o Ebitda, como reflexo de maiores investimentos em obras assumidas nos últimos anos como o Metrô Bahia, a CCR MSVia e o BH Airport e do maior custo de serviço da dívida, dado o aumento da taxa básica do país.

Apesar disso, a CCR pretende ampliar o volume de investimentos em quase 70 por cento em 2016, para cerca de 6 bilhões de reais, devido justamente à intensificação de obras, disse o executivo. Em 2015, o investimento da companhia subiu 28,6 por cento, para 3,6 bilhões de reais.

Segundo Macedo, a maioria dos projetos cuja licitação foi vencida pela CCR já têm aprovados os processos de financiamento com o BNDES. A CCR considera fazer emissões de debêntures de infraestrutura para ajudar a financiar os projetos.

Para o executivo, mesmo com a piora do cenário econômico do país e do encarecimento do custo de capital, os projetos da CCR seguem com taxas de retorno adequadas para prazos mais longos.

Para 2016, no entanto, se a projeção do mercado para mais um ano de recessão se confirmar, o tráfego de veículos nas rodovias da empresa pode voltar a recuar.   Continuação...