Ações chinesas sobem com medida de afrouxamento monetário, ignorando dados fracos

terça-feira, 1 de março de 2016 08:44 BRT
 

Por Pete Sweeney e Samuel Shen

XANGAI (Reuters) - As ações chinesas subiram nesta terça-feira após o surpreendente movimento do banco central de afrouxar a política monetária, ignorando as pesquisas decepcionantes da indústria e de serviços que destacaram os desafios que a segunda maior economia do mundo enfrenta.

Muito da atenção do mercado esteve voltada ao iuan, que se firmou após o banco central definir uma taxa referencial mais alta no começo das operações, diminuindo os temores de que o afrouxamento monetário pudesse colocar novas pressões de baixa sobre a moeda.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 1,85 por cento a 2.930 pontos, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,71 por cento a 2.733 pontos.

Na segunda-feira, o banco central da China anunciou um corte na taxa de compulsório bancário - ou quantidade de dinheiro que os bancos devem reter como reservas - em 0,5 ponto percentual. O movimento vai liberar estimados 100 bilhões de dólares em dinheiro para novos empréstimos.

"Achamos que o afrouxamento do banco central é consistente com a contínua atividade econômica mais fraca do que o esperado e com os riscos de baixa ao crescimento", escreveu o analista do Barclays Jian Chang. "Isto deve ajudar a sustentar a confiança do mercado no curto prazo."

Mais evidências de desaceleração econômica ficaram claras nas pesquisas mais recentes da indústria e dos serviços.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da China caiu para 49,0 em fevereiro, a menor leitura desde novembro de 2011, de 49,4 do mês anterior e abaixo das expectativas de 49,3.

O PMI de serviços recuou para 52,7 em fevereiro, de 53,5 em janeiro, um resultado particularmente decepcionante dado o peso que os gastos do consumidor têm para manter a economia em movimento e o desemprego baixo.

(Reportagem adicional por Jianxin Lu)