China lança duas bolsas de negociação de energia elétrica

terça-feira, 1 de março de 2016 14:57 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - A China lançou duas bolsas de negociação de energia elétrica nesta terça-feira, em linha com os esforços do governo para liberar os preços da eletricidade no país, embora alguns especialistas considerem o movimento insuficiente para reformular o setor.

A China quer, eventualmente, segregar as atividades de transmissão e distribuição de energia de suas operadoras dominantes - State Grid e China Southern Power Grid. O país já lançou programas piloto para reformas em sete províncias que permitem aos geradores fazer acordos de venda diretamente com consumidores.

As duas novas bolsas, uma na capital Pequim e outra na cidade industrial de Guangzhou, no sul do país, visam acelerar o comércio de energia entre regiões e o uso de fontes limpas, disse a Comissão de Reforma e Desenvolvimento Nacional (NDRC, na sigla em inglês) em nota divulgada em seu site nesta terça-feira.

As bolsas oferecerão serviços para negociação de eletricidade de forma aberta e transparente sob a supervisão do governo, disse a comissão, adicionando que as duas grandes operadoras de rede estatais da China detém o controle acionário dessas bolsas.

As novas bolsas, que deverão substituir os contratos de longo prazo no atacado das duas grandes elétricas, no entanto, não vão oferecer negociação de contratos à vista ou futuros no curto prazo, disseram fontes de mercado com conhecimento do assunto.

Mais de 250 empresas foram criadas no país para negociar energia após a China permitir investimentos privados em seus mercados de energia de atacado e varejo em 2015, disse nesta terça-feira uma entidade estatal de informações econômicas.

(Por Kathy Chen e Adam Rose)