Dólar amplia queda e vai abaixo de R$3,90, com China, petróleo e por cena política

quarta-feira, 2 de março de 2016 13:46 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ampliou a queda para mais de 1 por cento e voltou abaixo de 3,90 reais nesta quarta-feira, influenciado por expectativas de estímulos econômicos na China, pela alta dos preços do petróleo e pelo noticiário político local.

Às 13:45, o dólar recuava 1,14 por cento, a 3,8961 reais na venda. A moeda norte-americana chegou a atingir 3,8884 reais, menor nível desde 5 de fevereiro (3,8601 reais). No pregão passado, a moeda norte-americana caiu 1,56 por cento e terminou no menor nível em três semanas.

O dólar futuro, que havia ampliado o recuo após o fechamento do mercado à vista na terça-feira, caía cerca de 0,8 por cento.

"A sensação que eu tenho é que o mercado está lentamente percebendo que aquele período de pressão forte ficou para trás e está desmontando as posições compradas", disse o operador Marcos Trabbold, da corretora B&T.

O corte na taxa de compulsório da China na segunda-feira vem alimentando a demanda por ativos de risco nos mercados globais, mesmo diante da leva de dados fracos e após a Moody's piorar sua perspectiva para a nota de crédito do país.

O bom humor ganhou um pouco mais de força por volta do horário do almoço, quando os preços do petróleo voltaram a subir em meio a expectativas de congelamento da produção global.

No mercado brasileiro, fatores políticos também deram força ao recuo da moeda norte-americana. O empresário Léo Pinheiro, ex-presidente e sócio da empreiteira OAS decidiu fazer acordo de delação premiada, segundo o jornal Folha de S.Paulo.

De acordo com o jornal, o empresário deve relatar casos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dar informações sobre o pagamento de dívidas de campanha da presidente Dilma Rousseff de 2010 para a agência Pepper.

Alguns operadores vêm vendendo dólares, apostando que teria crescido a chance de mudança no governo via impeachment de Dilma, algo que acreditam ser positivo. Outros investidores, porém, entendem que as incertezas geram um quadro desfavorável ao ajuste macroeconômico.   Continuação...