Samarco pagará até R$12 bi por desastre em Mariana; ações da Vale têm forte alta

quarta-feira, 2 de março de 2016 20:32 BRT
 

Por Leonardo Goy e Anthony Boadle

BRASÍLIA (Reuters) - A mineradora Samarco e suas controladoras, a brasileira Vale e a anglo-australiana BHP Billiton, apontaram pagamentos de até cerca de 12 bilhões de reais em reparações e compensações pelo desastre causado pelo rompimento de uma barragem de rejeitos em Mariana (MG), valores bem abaixo dos divulgados pelo governo nesta quarta-feira, quando foi assinado um acordo entre as partes.

As ações da Vale, que entraram em leilão durante a divulgação do acordo, fecharam em alta de mais 8 por cento, no caso das preferenciais, enquanto as ordinárias subiram 11 por cento, diante de valores de indenizações bem menores do que os estimados inicialmente, de cerca de 20 bilhões de reais.

Mais cedo, documentos divulgados pelo governo indicaram erroneamente que as reparações e compensações poderiam superar 24 bilhões de reais. Autoridades em Brasília tiveram dificuldades de explicar a jornalistas as divergências entre os valores informados pelo governo e o exposto pelas empresas.

Após muitos questionamentos, a presidente do órgão ambiental Ibama, Marilene Ramos, disse que o valor de 24 bilhões de reais colocado em um comunicado do governo continha uma incorreção, por indicar de forma errada que um valor de 4,1 bilhões de reais deveria ser somado aos 20 bilhões previstos pelo governo.

Na verdade, o montante citado já estava incluído nos 20 bilhões de reais, disse Marilene. Ainda assim, a cifra difere dos valores informados pelas mineradoras.

"Não se fixem pelos 20 bilhões de reais. Quando nós apontamos uma execução, nós apontamos uma perspectiva de investimento nessas ações... Não é que está garantido 20 bilhões, o que está garantindo são as ações", disse em entrevista coletiva o advogado-Geral da União, Luís Inácio Adams, de saída do governo.

Um comunicado da Presidência da República, após o evento, sustentou que em dez anos serão "investidos" cerca de 20 bilhões de reais para recuperar o Rio Doce, afetado pelo derramamento de lama da barragem da Samarco, no pior desastre ambiental do país, que matou ao menos 17 pessoas em novembro do ano passado.

Já a Vale informou em comunicado que os valores do acordo poderão variar de 9,5 bilhões a 11,9 bilhões de reais, com pagamentos assumidos integralmente pela Samarco.   Continuação...

 
Distrito de Bento Rodrigues, atingido por rompimento de barragem da Samarco em Mariana (MG). 6 de novembro de 2015.  REUTERS/Ricardo Moraes