Corte de perspectiva da China pela Moody's carece de suporte de fatos, diz Xinhua

quinta-feira, 3 de março de 2016 08:32 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - O corte pela Moody's da perspectiva da dívida do governo da China carece de suporte dos fatos e pode refletir "padrões duplos" ao avaliar economias desenvolvidas e em desenvolvimento, afirmou a agência de notícias oficial Xinhua em um comentário publicado nesta quinta-feira.

A Moody's Investors Service cortou na quarta-feira sua perspectiva para a dívida do governo chinês para "negativa", de "estável", citando incertezas sobre a capacidade das autoridades de implementar reformas econômicas, a crescente dívida pública e a queda das reservas.

A agência manteve a classificação Aa3 da China, destacando que suas consideráveis reservas dão tempo ao país para implementar reformas e lidar gradualmente com distorções econômicas.

A agência disse que o rebaixamento deveu-se às expectativas de que a força fiscal da China vai continuar a cair, como também suas reservas internacionais, que já encolheram 762 bilhões de dólares nos últimos 18 meses.

"A decisão da Moody's carece de suporte de fatos, mostrando sérias discrepâncias com a saudável posição fiscal da China", disse a Xinhua.

O déficit fiscal da China em relação a seu Produto Interno Bruto continua abaixo de 3 por cento, e sua dívida ainda é menor que 20 por cento, ambos dentro das linhas de segurança internacional, disse a Xinhua.

As altas taxas de poupança, reservas internacionais e a dívida externa limitada da China vai ajudar a blindar o país de uma possível crise financeira, apesar da dívida em alta, completou a Xinhua.