Suzano mira exportações de celulose fluff no curto prazo, com Ásia e América Latina em foco

segunda-feira, 7 de março de 2016 13:08 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - A Suzano Papel e Celulose avalia direcionar no curto prazo parte da nova produção de celulose tipo fluff, material usado em fraldas e absorventes, para o exterior, com Ásia e América Latina entre os primeiros destinos prováveis.

"O foco foi primeiro concentrar a atenção no mercado interno porque é mais fácil, tem a vantagem da logística e temos desenvolvido o maquinário dos clientes. Mas certamente vamos olhar em breve o mercado externo, está no radar", disse à Reuters o gerente do projeto fluff da Suzano e gerente executivo de Novos Negócios da empresa, Alexandre Corrêa.

Atualmente, 90 por cento da produção global do insumo está nos Estados Unidos, com o restante na Argentina, que é o segundo maior produtor por conta de fábrica da Arauco, perto da fronteira com o Brasil. Há também algumas produtoras menores na Europa, segundo Corrêa.

Diante dessa distribuição da produção global do insumo, a Suzano avalia que outros países na América Latina que hoje importam todo o fluff utilizado poderiam ser clientes da produção da companhia no Brasil. Outro foco da empresa para o produto é a China, que já é maior mercado mundial de celulose.

O produto da Suzano é produzido a partir da celulose de fibra curta de eucalipto, diferentemente do fluff tradicional, que vem da fibra longa de árvores como pinheiros. Segundo a companhia, que não fabrica celulose de fibra longa, o produto traz ganhos de capacidade de absorção de líquidos e permite redução da espessura do produto final.

A Suzano começou a produzir o insumo em novembro e a vendê-lo em dezembro. A empresa tem no momento 15 clientes no Brasil, dos quais cinco têm feito compras regulares desde dezembro e três são empresas de médio porte. Outros 20 clientes estão testando o material ou já aprovaram o produto, disse Corrêa.

Os clientes grandes precisam de mais tempo para aprovarem o insumo, mas a Suzano espera anunciar pelo menos um ainda neste ano. Duas empresas de grande porte acompanharam o processo de desenvolvimento do fluff com a Suzano durante os testes.

O objetivo da Suzano não é substituir todo o fluff de fibra longa usado atualmente no mercado por fibra curta, e sim fazer uma mistura, definida nas pesquisas da companhia em 30 por cento de fluff fibra curta para fraldas e 70 por cento para absorventes femininos. Com a celulose fluff já em produção, a Suzano afirma que clientes já estão conseguindo chegar a níveis maiores, de 50 por cento para fraldas e 80 por cento para absorventes.   Continuação...