Dólar cai frente ao real de olho em cena política

terça-feira, 8 de março de 2016 12:04 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar recuava frente ao real nesta terça-feira, mantendo o viés de baixa visto na semana passada enquanto investidores aguardavam novos desdobramentos no campo político, apesar de dados fracos sobre o comércio na China.

O tom positivo, no geral, tem predominado no mercado doméstico conforme cresce a percepção de que os escândalos de corrupção no âmbito da operação Lava Jato estariam elevando a chance de a presidente Dilma Rousseff não concluir seu mandato. Alguns operadores advertem, porém, que o otimismo pode ser exagerado.

Às 12:02, o dólar recuava 0,18 por cento, a 3,7868 reais na venda. A moeda norte-americana subiu 0,88 por cento na sessão passada, em movimento de correção depois de marcar o maior tombo semanal desde 2008.

O dólar futuro, que havia reduzido o avanço após o fechamento do mercado à vista na véspera, tinha queda de cerca de 0,1 por cento.

"Mudou um pouco o tom do mercado local desde a semana passada. Se antes todo o mercado estava muito pessimista, agora algumas pessoas estão vendo motivo para vender (dólares)", disse o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

O tema impeachment voltou a crescer recentemente à medida que as investigações de corrupção no Brasil se aproximaram do governo, sobretudo após a operação Lava Jato ter chegado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no fim da semana passada.

Alguns operadores acreditam que uma mudança no governo poderia ajudar na recuperação da credibilidade do Brasil com investidores. Outros ressaltam, porém, que a perspectiva de turbulências políticas representa forte entrave e não há garantia de que eventual troca resultaria em quadro mais favorável para a economia brasileira.

Nesta sessão, o mercado brasileiro estava descolado do exterior, onde o dólar avançava após a sequência de sessões de queda. O movimento vinha em reação a dados mostrando que o desempenho comercial da China em fevereiro foi muito pior do que a expectativa de economistas.

"Ainda que o quadro pareça mais estável na China, com o governo sinalizando que adotará estímulos fiscais e monetários nos próximos meses, os dados recentes aumentaram a cautela dos investidores", escreveram analistas da corretora Guide Investimentos em nota a clientes.   Continuação...