Nippon Steel vai propor aumento de capital de R$1 bi na Usiminas, diz fonte

terça-feira, 8 de março de 2016 20:59 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo Nippon Steel vai propor na reunião do Conselho de Administração da Usiminas um aumento de capital de cerca de 1 bilhão de reais na siderúrgica brasileira e está disposto a bancar sozinho a injeção de recursos caso outros sócios não queiram participar da operação, afirmou uma fonte com conhecimento direto do assunto nesta terça-feira.

O objetivo da Nippon, que divide o controle da Usiminas com o grupo ítalo-argentino Techint, é que a aprovação do aumento de capital pelo Conselho da companhia ajude a convencer bancos credores a aceitarem carência no vencimento de dívidas de curto prazo que ameaçam a solvência da empresa brasileira. A reunião do Conselho de Administração da Usiminas está marcada para a sexta-feira.

A expectativa do grupo japonês é que a injeção de recursos via aumento de capital possa ocorrer três meses após o Conselho da Usiminas aprovar a operação, considerada pela Nippon como única saída para evitar que a siderúrgica brasileira seja obrigada a fazer um pedido de recuperação judicial, disse a fonte que pediu para não ser identificada.

Nippon e Techint, que atua na Usiminas por meio da controlada Ternium, têm travado há meses uma dura disputa em torno do controle da gestão da siderúrgica brasileira. Uma decisão sobre o aumento de capital deveria ter sido tomada em meados de fevereiro, mas o Conselho da Usiminas acabou adiando a votação sobre o assunto para a sexta-feira, em meio a discordâncias dos grupos sobre a forma e o valor da injeção de capital.

Segundo a fonte, não está descartada uma eventual aprovação do aumento de capital mesmo sem o consenso de todos os sócios, apesar da regra definida no acordo de acionistas de necessidade de aprovação por todos os membros do grupo de controle. Com isso, a questão pode acabar na Justiça.

"O aumento de capital é o único caminho para salvar a empresa. Não aceitar isso é ir contra o dever fiduciário dos conselheiros (...) Conselheiros e o Conselho podem ser acionados judicialmente por não atentarem a isso", afirmou a fonte. "É uma questão de proteger o acordo de acionistas ou proteger a empresa?", questionou a fonte.

Procurada, a Techint, que até recentemente se opunha a injetar mais recursos na Usiminas por entender que existem outras alternativas para a companhia, afirmou em comunicado, nesta terça-feira, que "mantém conversa constante com os outros acionistas da Usiminas para chegar a uma solução" para empresa.

A Techint afirmou ainda que considera como melhor alternativa para aliviar o endividamento da Usiminas e proteger os acionistas um "aporte limitado de capital", aliado a uso de recursos da unidade Mineração Usiminas e negociação com os bancos credores para prolongar os vencimentos de curto prazo.   Continuação...