Governo deve fixar reajuste de preços de medicamentos em até 12,5%, diz Interfarma

quarta-feira, 9 de março de 2016 17:59 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - O governo federal deverá fixar o reajuste de preços de medicamentos em até 12,5 por cento, informou nesta quarta-feira a associação que representa laboratórios farmacêuticos do país, a Interfarma, com base na divulgação mais cedo da última variável de cálculo do índice.

Segundo a entidade, é a primeira vez em mais de 10 anos que o governo deverá determinar reajuste anual de preços do setor acima da inflação oficial. O reajuste deverá ser aplicado a partir de 31 de março.

"O cálculo do governo mostra com clareza que até a indústria farmacêutica, normalmente menos prejudicada por crises econômicas, está sendo atingida pelo momento difícil que o Brasil enfrenta", disse em comunicado à imprensa o presidente-executivo da Interfarma, Antônio Britto.

A oscilação do câmbio e o aumento expressivo da energia elétrica tiveram grande influência na composição do índice de reajuste, disse a entidade.

Representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não estavam disponíveis para comentar o assunto de imediato.

A Interfarma, que representa 56 laboratórios associados, responsáveis pela venda de 82 por cento dos medicamentos de referência do mercado brasileiro, afirmou que a implementação do reajuste não será imediata, ocorrendo gradualmente conforme o varejo farmacêutico for renovando estoques.

Em fevereiro, o presidente da Hypermarcas, Claudio Bergamo, já havia afirmado que o reajuste nos preços a ser promovido pelo setor seria de cerca de 10 por cento. As ações da companhia exibiam alta de 1 por cento perto do encerramento do pregão na bolsa paulista, enquanto o Ibovespa mostrava queda de 0,72 por cento.