Conselho da Usiminas aprova por maioria proposta de aumento de capital de R$1 bi, dizem fontes

sexta-feira, 11 de março de 2016 20:41 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - O Conselho de Administração da Usiminas aprovou nesta sexta-feira, por maioria, proposta de aumento de capital de 1 bilhão de reais, disseram três fontes a par do assunto.

A operação é considerada essencial para evitar que a maior produtora de aços planos do Brasil seja forçada a pedir recuperação judicial diante de sua frágil situação financeira.

Durante reunião do Conselho, foram discutidas duas propostas de aumento de capital: a vencedora, apresentada pela japonesa Nippon Steel; e outra de 500 milhões de reais sugerida pela ítalo-argentina Techint. Os dois grupos dividem o controle da siderúrgica brasileira.

Três conselheiros da Techint votaram contra a proposta da Nippon Steel, afirmaram duas das fontes, que falaram à Reuters sob condição de anonimato.

Além dos três conselheiros da Nippon Steel, votaram com o grupo japonês pelo aumento de capital de 1 bilhão de reais os representantes dos empregados e do fundo de pensão da siderúrgica. Outros dois conselheiros representantes de acionistas minoritários apoiaram a proposta. O acordo de acionistas da Usiminas prevê que todas as decisões do Conselho devem ser tomadas por consenso, o que não ocorreu.

A Techint, contudo, não deverá questionar na Justiça o resultado da votação, mas voltará a apresentar sua proposta quando da realização de assembleia de acionistas da Usiminas para discutir o aumento de capital, disse a terceira fonte. A proposta da Techint envolve, além dos 500 milhões de reais em aumento de capital, repasse de 500 milhões de reais do caixa da Mineração Usiminas à siderúrgica.

Uma data para a assembleia de acionistas, porém, não foi acertada na reunião, disse a fonte.

A Nippon Steel, porém, considera o aumento de capital de 1 bilhão de reais como fundamental para que a Usiminas evite um pedido de recuperação judicial no curto prazo, e a aprovação da proposta deverá ajudar a siderúrgica a negociar uma suspensão no vencimento de dívidas junto a bancos credores, segundo relatou mais cedo nesta semana uma fonte com conhecimento do assunto.   Continuação...