Argentina investiga quase 100 empresas por suspeita de corrupção ligada à Lava Jato, diz fonte

segunda-feira, 14 de março de 2016 14:26 BRT
 

BUENOS AIRES (Reuters) - A Justiça argentina investiga quase 100 empresas por possível pagamento de suborno, incluindo várias de origem brasileira, por suspeita de que tenham replicado na Argentina o esquema de corrupção que é alvo da operação Lava Jato no Brasil, disse à Reuters uma fonte com acesso ao tema.

O procurador argentino responsável pela investigação, Sergio Rodríguez, disse na semana passada à Reuters que a empreiteira Odebrecht é uma das empresas suspeitas de terem cometido na Argentina "algum tipo de réplica das manobras de cartelização" ocorridas no Brasil.

A fonte próxima à investigação, iniciada em dezembro e que deriva dos inquéritos abertos no Brasil, explicou na sexta-feira que entre as quase 100 empresas envolvidas ainda estão as também brasileiras Andrade Gutierrez, OAS e Camargo Correa.

"Os procuradores brasileiros disseram que existe uma suspeita razoável de que o esquema tenha se reproduzido aqui", acrescentou a fonte.

Segundo a fonte, a investigação, que engloba o período de 2006 a 2012, aponta para o Ministério do Planejamento, responsável pelas obras públicas do governo da ex-presidente Cristina Kirchner, que foi sucedida em dezembro pelo candidato de oposição Maurico Macri.

Os investigadores acreditam que funcionários do ministério, que comandava a Secretaria de Transporte --cujo chefe da época já foi condenado por corrupção em outros casos-- podem ter beneficiado algumas empresas em licitações de obras em troca de subornos.

A Procuradoria já pediu ao Tesouro-Geral informações sobre os pagamentos realizados às empresas envolvidas durante o período de 2006 a 2012 e vai fazer uma análise das licitações. A fonte disse que a investigação é "embrionária" e que ainda não há provas de nenhum crime. "Em dois ou três meses teremos novidades", acrescentou.

Uma porta-voz da Andrade Gutierrez disse que a empresa não faria comentários a respeito da investigação na Argentina, enquanto a Camargo Correia afirmou que desconhece a investigação. A OAS não respondeu a pedidos de comentários da Reuters.

(Reportagem de Nicolás Misculin; Reportagem adicional de Alberto Alerigi Jr.)