Dólar salta 1,71% sobre o real com Lula e após manifestações

segunda-feira, 14 de março de 2016 18:30 BRT
 

Por Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu 1,71 por cento frente ao real nesta segunda-feira, acelerando os ganhos no fim da sessão, com ruídos sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumir um ministério no atual governo, o que poderia tirar força de eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff, segundo operadores.

A moeda norte-americana já mostrava alta de aproximadamente 1 por cento durante quase todo o pregão, após as fortes quedas recentes abrirem espaço para ajustes e as manifestações contra o governo na véspera, que também marcaram críticas à oposição.

O dólar avançou 1,71 por cento, a 3,6524 reais na venda, maior alta desde 16 de fevereiro (+1,86 por cento), após ter acumulado queda de 10,30 por cento no mês até a véspera.

"Goste ou não (de Lula), ele tem sempre uma carta na manga", disse o especialista em câmbio da Icap corretora, Ítalo Abucater, referindo-se à força política de Lula, que poderia ajudar o governo.

O jornal Folha de S.Paulo publicou em seu site nesta tarde que a presidente Dilma aguarda um telefonema de Lula confirmando que ele aceita ser ministro de seu governo.

"Isso seria uma manobra de proteção para blindar o Lula de uma possível prisão... Esse governo está fazendo uma manobra que pode até ser legal, mas não é moral", disse o operador de câmbio da Correparti Corretora Jefferson Luiz Rugik.

As manifestações de domingo levaram cerca de 3 milhões de pessoas às ruas e antecedem a retomada da análise pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sobre recursos apresentados pela Câmara dos Deputados contra o rito do impeachment definido pelos ministros do STF, marcada para quarta-feira. Durante o protesto, políticos da oposição também foram hostilizados pelos manifestantes.

"Vimos que população não tem nenhum nome para substituir o governo do PT. A oposição foi vaiada (nas manifestações) e fica a interrogação sobre quem seria a substituição ao governo", disse o superintendente regional de câmbio da SLW, João Paulo de Gracia Correa.   Continuação...

 
Notas de dólar e real em casa de câmbio no Rio de Janeiro. 04/08/2003. REUTERS/Bruno Domingos