ESPECIAL-Agonizando por desastre, Mariana vê retorno da Samarco como alternativa

terça-feira, 15 de março de 2016 09:53 BRT
 

Por Marta Nogueira

MARIANA (Reuters) - Demitido por uma das fornecedoras da mineradora Samarco, dias após o rompimento mortal de uma barragem de rejeitos, o mecânico de manutenção Genivaldo Nascimento, 27, ajuda a alongar uma incômoda fila de desempregados no Site Nacional de Empregos, próximo à prefeitura de Mariana (MG), epicentro do pior desastre ambiental da história do Brasil.

A cena da fila, que se repete todos os dias, mostra a aflição de um município que vê poucas alternativas imediatas para sua agonizante economia, a não ser o retorno da mineradora Samarco, um dos principais motores da cidade.

"Eu nunca fiquei desempregado na minha vida, estou desesperado, tenho dois filhos para criar, estou bravo porque estão prejudicando a Samarco", afirmou Nascimento, atribuindo o desemprego à paralisação da empresa, que precisa de autorizações estaduais e federais para reiniciar a mineração.

O sentimento do mecânico permeia grande parte da população marianense que sofre com o aumento do desemprego e com a desaceleração econômica da cidade, que tem cerca de 90 por cento de sua arrecadação proveniente da atividade minerária.

Desde que as minas da Samarco foram fechadas, há quatro meses, o número de pessoas buscando emprego cresceu de 300 para 1.900, segundo a prefeitura, ainda que a Samarco esteja garantindo por ora pagamentos a grande parte dos seus cerca de 3 mil funcionários diretos em licença remunerada.

No sábado, cerca de mil pessoas marcharam pelas ruas de paralelepípedos do centro da cidade, reverberando um grito de guerra que resume suas demandas: "Justiça sim, desemprego não!". A mobilização teve como principal objetivo pressionar autoridades para o retorno da mineradora.

Em contrapartida, o promotor de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais Antonio Carlos Oliveira ressaltou a necessidade de cautela neste processo.

"É o poder econômico sempre falando mais alto em detrimento do meio ambiente... A preocupação é grande, sim, de que os órgãos ambientais de alguma forma se deixem seduzir ou pressionar pela voz da comunidade e de que eles cedam sem que haja a devida regularização", afirmou Oliveira à Reuters.   Continuação...

 
Pessoas aguardam por oportunidade de trabalho em fila na frente de agência de empregos em Mariana (MG), em foto tirada em 9 de março. A cena da fila se repete todos os dias e mostra a aflição de um município que vê poucas alternativas imediatas para sua agonizante economia, a não ser o retorno da mineradora Samarco, um dos principais motores da cidade. Desde que as minas da Samarco foram fechadas, há quatro meses, o número de pessoas buscando emprego cresceu de 300 para 1.900, segundo a prefeitura. REUTERS/Washington Alves