STF homologa delação de Delcídio, que cita Dilma, Lula e outros políticos

terça-feira, 15 de março de 2016 15:05 BRT
 

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, homologou nesta terça-feira o acordo de delação premiada firmado pelo senador Delcídio do Amaral no âmbito da operação Lava Jato, em que o ex-líder do governo no Senado faz acusações contra a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, entre outros políticos do governo e da oposição.

Preso em novembro do ano passado, Delcídio decidiu fazer a delação sobre o esquema de corrupção envolvendo a Petrobras (PETR4.SA: Cotações), outras empresas, políticos e partidos, o que levou Dilma a reagir e classificar a decisão como "vingança". O senador, que anunciou nesta terça-feira sua desfiliação do PT, foi solto em fevereiro por decisão do STF. [nL2N15Y1CO]

O acordo de delação também prevê a devolução por parte do senador de 1,5 milhão de reais obtidos por meio de infrações, de acordo com a Procuradoria-Geral da República.

Delcídio foi preso acusado de tentar obstruir as investigações da Lava Jato. Ele aparece em um áudio oferecendo dinheiro, influência política junto ao Judiciário e até uma rota de fuga para o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró em troca do silêncio dele nas investigações.

Na delação, divulgada pelo STF após a homologação, o senador acusa o ex-presidente Lula de também ter envolvimento na trama sobre Cerveró, o que poderia ter implicações na decisão de Lula de virar ministro. De acordo com uma fonte do Palácio do Planalto, o ex-presidente aceitou nesta terça ocupar um ministério, o que lhe concederia foro privilegiado. [nE6N15J01J]

Sobre Dilma, o senador afirmou que a presidente agiu, assim como o ex-ministro da Justiça e atual advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, no sentido de tentar promover a soltura de réus presos no âmbito da Lava Jato.

Dilma, Cardozo e Lula negam ter cometido qualquer irregularidade. Quando houve divulgação pela revista IstoÉ sobre o acordo de delação, a presidente a classificou como "vingança" pelo fato de o governo não ter interferido para libertá-lo quando ele foi preso.

O Instituto Lula disse nesta terça-feira em resposta às acusação de Delcídio que "não comenta falatórios".   Continuação...

 
Senador Delcídio do Amaral em Brasília. 17/09/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino