Delta quer reforçar parceria comercial com Gol, não tem planos de elevar participação

terça-feira, 15 de março de 2016 17:20 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O diretor-geral da norte-americana Delta Air Lines para o Brasil, Luciano Macagno, disse nesta terça-feira que a companhia aérea não tem planos de elevar a participação na brasileira Gol no momento apesar da medida provisória que autorizou o aumento do limite do capital de estrangeiros em aéreas do país para 49 por cento.

"Não precisamos de mais investimentos para fazer com a Gol o que a gente quer fazer", disse Macagno em evento do setor. Além de acionista da Gol, a Delta tem acordo de compartilhamento de voos com a aérea brasileira.

Segundo ele, a intenção da Delta é fortalecer a parceria com a Gol, mas em termos comerciais, tomando medidas para se aproximar do passageiro brasileiro e melhorar a comunicação. Ele ressaltou, por exemplo, que nem todo passageiro da Gol com o programa de fidelidade Smiles nível diamante sabe que é reconhecido como cliente diamante da Delta no resto do mundo, entre outros benefícios.

"Estamos muito longe de qualquer outro tipo de integração que o mercado gosta de falar", afirmou.

Macagno citou também comentários do presidente da Delta, Ed Bastian, na semana passada, afirmando que a empresa não tem planos de aplicar mais capital no Brasil, onde a Gol é seu veículo de investimento, apesar de estar trabalhando perto da empresa na sua restruturação.

A Delta elevou sua participação na Gol de 2,93 para 9,48 por cento no ano passado, depois de acordos financeiros com a parceira, incluindo uma injeção de capital, para reforçar a liquidez da companhia brasileira.

A expectativa do mercado de que a Delta poderia fazer um novo aporte levantou com força as ações da brasileira mais cedo neste mês. Nesta terça-feira, as ações da Gol encerraram em queda de 12,4 por cento, a 2,68 reais, em meio a um declínio generalizado da bolsa.

(Por Priscila Jordão)