Crise e venda de ativos devem pressionar margens da BR Malls em 2016

terça-feira, 15 de março de 2016 18:33 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A BR Malls avalia que vai ser mais difícil manter o nível das margens de lucro em 2016 por causa da crise econômica e da continuidade da venda de ativos pela empresa, disse o diretor-presidente da administradora de shopping centers nesta terça-feira.

"Com a economia piorando e a gente vendendo ativos vai ser mais difícil manter o nível de margens, mas, ao mesmo tempo, a gente vai ficando melhor em termos de eficiência", disse o diretor-presidente da empresa, Carlos Medeiros.

Para a BR Malls, 2016 vai ser "tão difícil quanto foi 2015". O executivo afirmou que a empresa vem ajustando o quadro de funcionários, como reflexo de desaceleração em algumas áreas, e também despesas administrativas e custos.

Medeiros reafirmou que a companhia estima vender cerca de 200 milhões de reais em participações de ativos este ano. "Esta é uma média dos últimos anos, podendo ser mais, podendo ser menos. Depende de comprador e de preço", afirmou, acrescentando que a companhia continuará vendendo ativos em 2017.

Segundo o executivo, a companhia está em processo de negociação, mas não deu mais detalhes nem uma data sobre quando um eventual negócio seria fechado.

A administradora de shopping centers informou na véspera lucro líquido de 40,6 milhões de reais no quarto trimestre, queda de 74 por cento na comparação anual.

Questionado sobre dificuldades de algumas redes de varejo e encerramento de lojas, Medeiros afirmou que o setor é muito pulverizado.

"Nosso cliente mais relevante representa 1,5 por cento das nossas vendas, então estes problemas... têm impacto pequeno no nosso resultado, mas de qualquer maneira o mercado está difícil. Nosso trabalho é repor estes lojistas que eventualmente vão sair", afirmou.

As ações da BR Malls encerraram nesta terça-feira em queda de 8,2 por cento, enquanto o Ibovespa teve baixa de 3,56 por cento.

(Por Juliana Schincariol)