Dilma defende nomeação de Lula e nega mudanças na equipe econômica

quarta-feira, 16 de março de 2016 18:59 BRT
 

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta quarta-feira a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil de seu governo e classificou de "especulações" as informações de que a chegada de Lula traria mudanças na política e na equipe econômica.

Dilma ressaltou, em breve entrevista, que o ex-presidente Lula tem "grande compromisso" com a estabilidade fiscal e com o controle da inflação, e negou que o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, vá sair do governo, assim como o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa.

“Essa é outra especulação que não se admite, porque cria turbulência na economia. Nem o ministro Nelson Barbosa nem o ministro Tombini levantaram qualquer coisa no sentido de saírem do governo. Estão os dois mais dentro do que nunca do governo”, disse a jornalistas no Palácio do Planalto.

A presidente chamou a entrevista comunicar pessoalmente a mudança do ministério, com a nomeação de Lula para a Casa Civil, em substituição de Jaques Wagner, que irá para a chefia de seu gabinete, e a confirmação do peemedebista Mauro Lopes para a Secretaria de Aviação Civil.

No entanto, os rumores de que outras mudanças poderiam vir, como a saída de Tombini, e as avaliações de que Lula seria menos afeito ao ajuste fiscal levaram Dilma a falar.  

“Queria dizer que o ex-presidente Lula tem uma trajetória que eu reputo muito expressiva de compromisso com estabilidade fiscal e controle da inflação, compromisso que não é retórico e se expressa em uma situação muito significativa que foram os oito anos ao longo do governo dele”, disse a presidente.

“Que história é essa que não tem compromisso com estabilidade fiscal? Tudo é admissível, mas tem coisas que estão um pouco acima dos limites da especulação.”

Dilma negou ainda que o governo analisa o uso das reservas internacionais para investimentos, como sugere parte do PT, mesmo admitindo que possam ser usadas, em algum momento, para abater a dívida pública federal.   Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff dá entrevista no Palácio do Planalto para anunciar Lula na Casa Civil 16/03/2016. REUTERS/Adriano Machado