Energisa não disputará leilão da distribuidora Celg-D, vê preço elevado

terça-feira, 22 de março de 2016 19:04 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A holding Energisa, que controla 13 distribuidoras de energia elétrica em diversos Estados, não participará do leilão de privatização da Celg-D, concessionária da Eletrobras responsável pelo fornecimento em Goiás, afirmou à Reuters nesta terça-feira o presidente da companhia, Ricardo Botelho.

A Energisa, que em 2014 concluiu a aquisição de oito distribuidoras que pertenciam ao Grupo Rede, chegou a participar de uma reunião sobre a venda da Celg-D, mas avaliou o preço da empresa como elevado diante do atual momento de incertezas para investimentos no país.

"A Celg é um ativo muito significativo, muito bem localizado, está na fronteira com a região da maioria de nossos ativos. Entretanto, as condições de venda não são muito atraentes. Além do mais, a situação do país sugere que sejamos prudentes com investimentos nesse momento", afirmou Botelho.

O leilão da Celg-D, ainda sem data definida, terá um preço mínimo de 2,8 bilhões de reais. Somadas as dívidas que deverão ser assumidas pelo comprador, o negócio envolverá um total de 5,2 bilhões de reais.

No momento, o foco da Energisa tem sido o investimento para melhorar a qualidade do serviço das empresas compradas do Grupo Rede, que sofreram por anos com aportes abaixo do necessário pelo antigo controlador.

"Em 2015, investimos um volume recorde de 1,6 bilhão de reais... temos um programa de recuperação dessas empresas, e para este ano nossa previsão é de um valor próximo, cerca de 1,5 bilhão de reais", disse.

Para financiar os aportes, a Energisa tem praticamente todos os recursos equacionados, afirmou o diretor financeiro, Maurício Botelho.

A holding promoveu emissão de ações, debêntures e outras captações que somaram cerca de 3,5 bilhões de reais no ano passado. Além disso, a empresa recebeu 2,7 bilhões de reais pela venda de ativos de geração em 2015.   Continuação...