Dólar sobe ante real com BC, cenário político local e quadro externo

quinta-feira, 24 de março de 2016 10:24 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar avançava frente ao real nesta quinta-feira e encostava em 3,70 reais, reagindo à atuação do Banco Central, ao cenário político conturbado no Brasil e à alta da moeda norte-americana nos mercados externos.

Às 10:21, o dólar avançava 0,54 por cento, a 3,6967 reais na venda, após subir mais de 1 por cento e atingir 3,7225 reais na máxima da sessão. A moeda norte-americana havia avançado 2,11 por cento na véspera, também reagindo à ação do BC.

"Aquele cenário de dólar caindo na direção dos 3,50 reais parece menos provável agora. A trajetória pode ser de queda se o (cenário) político melhorar, mas com bastante volatilidade", disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold.

Após recuar abaixo de 3,60 reais e tocar os menores níveis em seis meses, o dólar voltou a subir nesta semana com a ação do BC. A autoridade monetária fez nesta manhã leilão de swaps cambiais reversos, que equivalem a compra futura de dólares, pelo quarto dia consecutivo, após deixar a ferramenta encostada por três anos.

No entanto, o BC não vendeu nenhum contrato dos até 3 mil ofertados, levando o dólar a reduzir a alta sobre o real. O lote foi também menor do que as outras três operações.

O BC também reduziu pela terceira vez neste mês a oferta de swaps cambiais tradicionais --que equivalem a venda futura de dólares-- para rolagem dos contratos que vencem em abril. Se mantiver até o penúltimo pregão do mês a oferta de até 2 mil contratos, contra 2,6 mil na operação da véspera, rolará pouco menos de 70 por cento do lote total, correspondente a 10,092 bilhões de dólares.

Por fim, a autoridade monetária fará à tarde leilão de venda de até 3 bilhões de dólares com compromisso de recompra, para rolar os contratos que vencem em 4 de abril.

Muitos operadores acreditam que o enfraquecimento do dólar desagrada ao BC ao prejudicar exportadores no momento de intensa recessão e, assim, poderia afetar as contas externas do país. A autoridade monetária diz que age para mitigar a intensa volatilidade, que vem em meio a forte incerteza política.   Continuação...