Premiê do Japão deve adiar aumento de imposto e convocar eleições de novo

segunda-feira, 28 de março de 2016 08:05 BRT
 

Por Linda Sieg e Kaori Kaneko

TÓQUIO (Reuters) - No fim de 2014, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, pegou os mercados e os eleitores de surpresa quando adiou um impopular aumento de imposto sobre vendas e convocou eleições. Menos de dois anos depois, a única surpresa será se ele não repetir a manobra.

Com o consumo fraco, um aumentos dos salários hesitante e desaceleração das economias emergentes afetando o crescimento do Japão, economistas apostam que Abe novamente adiará elevar o imposto para 10 por cento, ante 8 por cento.

Atualmente agendado para abril de 2017, o aumento é visto por conservadores fiscais como vital para controlar a crescente dívida pública e os gastos com seguridade social.

Descumprir a promessa feita no fim de 2014 de não adiar novamente a elevação do imposto daria a Abe motivo para convocar uma eleição para a câmara baixa do Parlamento para coincidir com votação para a câmara alta em julho. Sua coalizão já detém ampla maioria na câmara baixa.

Grandes vitórias nas duas Casas para o partido de centro-direita LDP, de Abe, e para parlamentares de ideologia semelhante aumentariam suas chances de conseguir começar a revisar a Constituição pacifista do Japão --manobra que Abe e sua base conservadora têm em vista há muito tempo.

Dezoito dos 21 economistas consultados pela Reuters esperam que Abe adie o aumento do imposto sobre vendas e 15 esperam uma eleição.

"Parece que ele (Abe) quer evitar qualquer impacto eleitoral da elevação do tributo, conseguir uma gestão de longo prazo e aumentar a possibilidade de revisar a Constituição", disse Harumi Taguchi, economista do IHS Global Insight.

 
Primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe.   22/03/2016     REUTERS/Franck Robichon/Pool