Bovespa sobe 0,6% com Yellen e PMDB sob holofotes, mas commodities limitam alta

terça-feira, 29 de março de 2016 17:36 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou em alta pelo segundo pregão seguido nesta terça-feira, na esteira de Wall Street, após a chair do banco central norte-americano afirmar que o Federal Reserve deve seguir cauteloso com a alta de juros nos Estados Unidos.

O quadro político doméstico também seguiu sob os holofotes, com o principal índice da bolsa paulista renovando a máxima da sessão após o PMDB oficializar sua saída da base aliada do governo da presidente Dilma Rousseff.

O Ibovespa subiu 0,62 por cento, a 51.154 pontos, com o declínio das commodities limitando os ganhos. Na máxima, subiu 1,8 por cento, a 51.764 pontos, renovando máxima intradia desde julho de 2015.

O volume financeiro ficou novamente abaixo da média diária do mês, totalizando 7,1 bilhões de reais. No mês, o giro médio é de 9,4 bilhões de reais.

Em Nova York, Janet Yellen disse que o Fed deve agir "cautelosamente" em relação a novos aumentos dos juros, porque a inflação ainda não se provou resistente em um contexto de iminentes riscos globais à economia dos EUA.

As bolsas em Wall Street firmaram viés ascendente após as declarações de Yellen, com índice S&P 500 encerrando em alta de 0,88 por cento, no maior patamar deste ano.

No Brasil, o foco voltou-se para a reunião do PMDB, na qual o partido oficializou o rompimento com o governo, movimento que dá força ao processo de impeachment contra Dilma e pode ser repetido por outros partidos da base aliada.

Segundo profissionais de renda variável, apesar do fôlego momentâneo logo após o anúncio, a decisão do PMDB era esperada e apenas ratifica um cenário que já vinha sendo desenhado, o que limitou um efeito mais forte na bolsa nesta sessão.   Continuação...