Eletrobras tem prejuízo de R$10,4 bi no 4º tri com provisões e baixa contábil

quinta-feira, 31 de março de 2016 08:57 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Eletrobras registrou prejuízo líquido de 10,44 bilhões de reais no quarto trimestre, ante resultado negativo de 1,14 bilhão de reais no mesmo período do ano anterior, impactada pelo reconhecimento de baixas contábeis em ativos, principalmente a usina nuclear de Angra 3, e provisões bilionárias, informou a estatal na noite de quarta-feira.

A companhia, que atua em geração, transmissão e distribuição de energia, reconheceu impairments (baixas contábeis) de 2,61 bilhões de reais, sendo 2,53 bilhões em Angra 3, que teve as obras paralisadas recentemente.

Além disso, a companhia registrou provisões de 9,39 bilhões de reais, principalmente devido a contingências judiciais e passivo a descoberto em subsidiárias.

A provisão para contingências judiciais somou 5,54 bilhões de reais, e houve ainda provisões referentes ao risco hidrológico na subsidiária Eletronorte e para créditos de liquidação duvidosa.

No terceiro trimestre, a estatal havia tido prejuízo líquido de 4,225 bilhões de reais, influenciado também por uma baixa nos valores da usina nuclear de Angra 3, no montante de 3,4 bilhões de reais.

A baixa no valor de ativos ocorre após a obra da usina de Angra 3 ter parado--os contratos de construção e montagem eletromecânica foram suspensos junto aos fornecedores--, em meio a investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que aponta suposta propina em licitações do empreendimento.

De outubro a dezembro, a receita operacional líquida da Eletrobras totalizou 7,86 bilhões de reais, baixa de 19 por cento frente o mesmo período do ano anterior.

Na comparação com o terceiro trimestre, a receita teve redução de 0,5 por cento.

A Eletrobras citou baixa de 155 por cento da receita de venda de energia de curto prazo contra o trimestre anterior, influenciada pela queda do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) e pela sazonalidade na venda de energia realizada pelas subsidiárias.   Continuação...