Câmbio e falta de fornecedor local ameaçam atrasar usinas solares no Brasil

quinta-feira, 31 de março de 2016 18:12 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A alta do dólar e a falta de fornecedores locais de equipamentos têm dificultado projetos de usinas solares que venderam energia no primeiro leilão promovido pelo governo federal para viabilizar investimentos nessa fonte no país, o que poderá adiar ou inviabilizar parte dos empreendimentos, afirmaram à Reuters especialistas do setor.

Realizado em outubro de 2014, o certame voltado à contratação de energia solar atraiu forte interesse dos investidores e fechou contratos com 31 usinas que somam quase 900 megawatts em capacidade instalada, para entrega de energia em 2017. Os projetos tiveram na época investimentos estimados em 7 bilhões de reais.

Porém os investidores atualmente encontram poucas opções de módulos fotovoltaicos montados localmente, uma exigência para obter os atrativos financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e ao mesmo tempo veem os preços dos equipamentos dispararem no mercado externo devido à desvalorização do real desde 2014, quando ocorreu a licitação.

"No dia do leilão (em outubro de 2014), o dólar estava cotado em 2,51 reais. Então, de fato, aquelas empresas que não fizeram um hedge, uma proteção contra a variação cambial, elas têm um desafio grande... isso impacta, sim, alguns dos projetos", afirmou à Reuters o presidente da Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar), Rodrigo Sauaia.

Ele explicou, sem citar nomes, que os investidores têm buscado saídas como parceiros que possam apoiar os empreendimentos, outras fontes de financiamento ou negociações para alterar as condições contratuais.

O gerente do departamento de energias alternativas do BNDES Marcos Cardoso confirmou que há empresas com dificuldades.

"Eles estão pleiteando essa postergação (da operação da usina)... para empurrar um pouco o prazo do leilão de 2014, de forma que se equacione um pouco o câmbio, porque a tarifa foi definida lá atrás, com outro câmbio, isso pode afetar", disse.

Até o momento, o BNDES não recebeu pedidos de financiamento para esses projetos solares, até devido ao escasso cenário de fabricantes de painéis que atendam aos requisitos de conteúdo local.   Continuação...