Economistas passam a ver Selic caindo a 13,75% neste ano, aponta Focus

segunda-feira, 4 de abril de 2016 09:04 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Economistas de instituições financeiras passaram a ver recuo da taxa básica de juros neste ano, enquanto a projeção para a inflação continuou diminuindo em meio à contínua piora da recessão econômica prevista.

A estimativa para a taxa básica Selic ao fim de 2016 na pesquisa Focus do Banco Central desta segunda-feira agora é de 13,75 por cento, contra os atuais 14,25 por cento previstos na semana anterior.

Essa foi a primeira redução na estimativa após oito semanas de manutenção mesmo depois de o BC reiterar em seu Relatório de Inflação, na semana passada, que não trabalha com a possibilidade de cortar a taxa básica de juros apesar da forte retração econômica.

Para 2017, o levantamento com uma centena de economistas não mostrou mudança na expectativa de que a Selic terminará o ano a 12,50 por cento.

Já para a inflação, a estimativa para 2016 agora é de 7,28 por cento, contra 7,31 por cento na semana anterior. Mesmo após a quarta semana seguida de redução, a projeção permanece bem acima do teto da meta do governo, de 4,5 por cento com tolerância de 2 pontos, e também da projeção do próprio BC.

No Relatório de Inflação, o BC estimou inflação de 6,6 por cento em 2016 e 4,9 por cento em 2017, sobre projeção anterior de elevação de 6,2 e 4,8 por cento, respectivamente.

A estimativa do BC para o ano que vem também é mais otimista do que a dos especialistas consultados no levantamento, que continuam vendo que a inflação encerrará 2017 a 6 por cento, no limite máximo da meta do governo para aquele ano, de 4,5 por cento, com margem de 1,5 ponto percentual.

O dólar tende a favorecer também o alívio na alta dos preços, uma vez que a projeção na pesquisa caiu a 4,0 reais no fim de 2016, contra 4,15 reais antes. Em relação a 2017 a perspectiva foi a 4,10 reais, sobre 4,20 reais.

Sobre o desempenho da economia, a contração do Produto Interno Bruto este ano agora é projetada em 3,73 por cento, ante queda de 3,66 por cento na pesquisa anterior. Já a expansão em 2017 é calculada em apenas 0,30 por cento, sobre 0,35 por cento anteriormente.   Continuação...