Ibovespa fecha em queda de 3,5% com tombo em Petrobras; cena política e exterior pesam

segunda-feira, 4 de abril de 2016 17:33 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou em queda nesta segunda-feira, pressionada particularmente pelo tombo das ações da Petrobras, na esteira de notícias sobre eventual redução nos preços de combustíveis pela estatal e do recuo das cotações do petróleo no exterior.

O quadro político nebuloso no país, principalmente no que diz respeito ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, e a fraqueza em Wall Street endossaram o tom negativo que prevaleceu no primeiro pregão da semana.

O Ibovespa caiu 3,52 por cento, a 48.779 pontos, a maior queda percentual diária desde 15 de março. Apenas duas ações das 61 listadas no índice encerraram no azul.

O giro financeiro da sessão somou apenas 5,46 bilhões de reais, ante média diária de 9,2 bilhões de reais em março, embora os últimos pregões do mês passado também tenham mostrado arrefecimento no ritmo de negócios.

"As incertezas na política geram cautela, principalmente quando ainda não se tem uma clareza do posicionamento dos deputados sobre o processo (de impeachment)", disse a Guide Investimentos em nota a clientes.

O Ibovespa valorizou-se 17 por cento em março, na esteira da melhora na percepção sobre mercados emergentes combinada com apostas crescentes em um desfecho desfavorável ao governo no processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

O efeito menos nocivo que o esperado na base aliada após desembarque do PMDB e notícias de algum sucesso na articulação política do governo em busca de apoio contra o impeachment com oferta de cargos abrandaram "certezas" sobre o processo.

Profissionais do mercado financeiro são unânimes em apontar manutenção da volatilidade nos negócios até que o cenário político no país se estabilize.   Continuação...