China diz que encontro do G20 tem que ser sobre economia, e não política

sexta-feira, 8 de abril de 2016 09:07 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - A cúpula do G20 a ser sediada pela China este ano deve ser sobre economia, e não questões políticas como disputas territoriais, disse o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, nesta sexta-feira, fazendo um alerta antes do maior evento diplomático do país no ano.

O encontro, previsto para ser realizado em setembro na cidade de Hangzhou, vai reunir os principais líderes mundiais, como os presidentes da China, Xi Jinping, e dos Estados Unidos, Barack Obama.

No próximo mês, o Japão sediará o encontro das nações do G7, do qual a China não faz parte, e propôs discutir questões como a Rússia, o conflito da Ucrânia e a ameaça apresentada pelas ambições nucleares da Coreia do Norte.

Falando a repórteres após uma reunião com sua contraparte alemã, Wang disse que a China quer fazer propostas no G20 sobre o crescimento econômico global.

"Esperamos que o G7 possa ser como o G20 e se concentre nos tópicos econômicos e de desenvolvimento que os países estão mais focados", disse Wang.

"... se certos países, por causa de seus objetivos políticos, inserirem questões concretas como problemas não resolvidos pela história ou disputas territoriais ou de soberania no G20, não apenas isso não irá beneficiar a resolução das questões, como pode impactar a situação e estabilidade regional, e isso é desaconselhável."