IPCA desacelera com força em março e vai abaixo de 10% em 12 meses pela 1ª vez desde outubro

sexta-feira, 8 de abril de 2016 11:44 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A queda nos preços de energia elétrica e de comunicação ajudou a inflação brasileira a desacelerar com força em março no ambiente atual de forte recessão vivida pelo país, com a taxa acumulada em 12 meses indo abaixo de 10 por cento pela primeira vez desde outubro.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,43 por cento em março, contra alta de 0,90 por cento no mês anterior, o nível mais baixo desde agosto (0,22 por cento).

Com isso, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, a alta acumulada do índice em 12 meses caiu a 9,39 por cento, contra 10,36 por cento de fevereiro.

Foi a primeira vez que o acumulado em 12 meses ficou no patamar dos 9 por cento desde outubro (quando foi de 9,93 por cento) e a taxa mais baixa desde junho (quando atingiu 8,89 por cento).

Mas ainda assim a inflação em 12 meses permanece bem acima do teto da meta estabelecida pelo governo, de 4,5 por cento com tolerância de 2 pontos percentuais para mais ou menos.

"Sem dúvida há uma menor demanda. Ela é um limitador ao repasse de custos e está muito claro que esse é um movimento que já começou e está se disseminando", disse a economista do IBGE Eulina Nunes dos Santos.

Mesmo com a retração econômica ajudando a abrandar a alta dos preços, a inflação deve encerrar 2016 ano acima do teto da meta pelo segundo ano seguido.[nL2N1770F7]

O BC vem reiterando que não trabalha com a possibilidade de cortar a taxa básica de juros Selic, atualmente em 14,25 por cento, mas economistas já veem a redução da taxa.   Continuação...

 
A woman looks on prices at a food market in Rio de Janeiro, Brazil, January 21, 2016. Brazil's real currency slipped to near its weakest ever against the U.S. dollar on Thursday as investors worried that erratic policy signals from President Dilma Rousseff may prolong a crippling recession in Latin America' biggest economy. REUTERS/Pilar Olivares - RTX23FYK