19 de Abril de 2016 / às 17:31 / um ano atrás

Em um mês, siderúrgicas aumentam preço do aço em cerca de 25% a distribuidores no Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - As produtoras de aço plano do Brasil estão avisando que promoverão no começo de maio uma nova rodada de aumento de preços a distribuidores de dimensão semelhante ao já aplicado em abril, selando uma majoração de cerca de 25 por cento em um mês, informou nesta terça-feira a entidade que representa a distribuição, Inda.

“A ArcelorMittal ISPA.AS já comunicou distribuidores sobre reajuste de 12 por cento nos preços de maio e CSN (CSNA3.SA) e Usiminas (USIM5.SA) devem aumentar acima de 10 por cento”, disse nesta terça-feira o presidente do Inda, Carlos Loureiro, após ter afirmado que um aumento de nível similar já aconteceu neste mês.

Segundo o executivo, as siderúrgicas estão acompanhando a reação dos preços internacionais dos metais, especialmente na China e nos Estados Unidos, nas últimas semanas, incluindo minério de ferro, sucata e carvão.

De acordo com Loureiro, o aumento do preço do aço tende a ser repassado integralmente aos clientes dos distribuidores, mesmo diante do quadro de forte recessão econômica.

“O consumo de aço é bastante inelástico, não deve ter grande impacto na demanda”, disse Loureiro, explicando que produtoras e distribuidores devem aproveitar o momento para tentar recompor margens, que têm sido negativas.

Uma fonte a par do assunto afirmou à Reuters que a Usiminas planeja aplicar um aumento de preços de 14 por cento no começo de maio aos distribuidores e que a empresa já começou negociações junto a clientes industriais para reajuste de 10 a 11 por cento também a partir de maio. A empresa já havia informado no final de março reajuste de preços em abril de 10 por cento. [nL2N16V1GD]

Procurados, representantes da CSN e da ArcelorMittal afirmaram que as empresas não se manifestam sobre preços praticados.

As ações do setor siderúrgico engrenavam forte alta no início da tarde desta terça-feira, com Usiminas liderando o movimento, com valorização de 10 por cento, enquanto a CSN vinha na sequência, com ganho de 9,4 por cento. Já a ação da Gerdau (GGBR4.SA), que está investindo no segmento de aços planos, subia 8 por cento.

TRIMESTRE

Na manhã desta terça-feira, a Inda afirmou que as vendas de aços planos pelos distribuidores em março atingiram 242,9 mil toneladas, uma queda de 5 por cento ante mesma etapa de 2015. Na base sequencial, porém, o número representou aumento de 20 por cento.

No primeiro trimestre, as vendas caíram 13 por cento na comparação anual, puxadas pelas chapas grossas, com recuo de 37,4 por cento.

A expectativa da entidade é de que as vendas deste mês sejam cerca de 7 por cento menores do que em março.

O volume de estoques fechou março em 906,8 mil toneladas, estável sobre o mês anterior, mas uma retração de 16,8 por cento ante um ano antes.

A previsão da Inda é que, influenciada pela forte alta do dólar nos últimos meses, a balança comercial do aço seja superavitária para o Brasil em 2016, o primeiro saldo positivo em sete anos.

O número, apoiado numa previsão de queda de 28 por cento das importações e de alta de 21 por cento das vendas ao exterior, considera o comércio de produtos que usam aço na fabricação, como automóveis e eletrodomésticos.

Por Aluísio Alves

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below