ENTREVISTA-Safra de café robusta do Espírito Santo deve cair pela metade, diz Cooabriel

quarta-feira, 20 de abril de 2016 15:53 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de café robusta do Espírito Santo, maior produtor brasileiro da variedade conhecida também por conilon, deverá cair pela metade em 2016, impactada pela seca e calor intensos, que afetam a produção pelo terceiro ano seguido, afirmou um importante representante do setor produtivo capixaba.

A safra do conilon, cuja colheita começou recentemente, deverá atingir cerca de 4 milhões de sacas de 60 kg, segundo a avaliação do presidente da maior cooperativa de cafeicultores do Espírito Santo, a Cooabriel, Antônio Joaquim de Souza Neto.

Souza Neto, de 73 anos, que atua na cooperativa há quase meio século, afirmou que nunca viu uma situação precária como a atual na cafeicultura do Estado, que convive com açudes e poços secos, antes usados para a irrigação, e lavouras depauperadas.

"Jamais acreditei que um dia veria o que estamos passando aqui hoje... O Espírito Santo está atravessando um problema de seca muito grande, de três anos para cá piorou muito... faltou água e o café não granou", afirmou o presidente da Cooabriel, ressaltando que a colheita será marcada por grãos miúdos.

A projeção de Souza Neto indica uma queda de mais de 48 por cento ante a safra anterior, estimada em 7,76 milhões de sacas pelo Ministério da Agricultura. O volume também representa uma redução semelhante em relação ao total que a cooperativa e o governo esperavam para o Espírito Santo no início do ano, apontando ainda um cenário mais negativo ante o antecipado pelo mercado.

Caso essa desoladora expectativa seja confirmada, a quebra de produção do conilon no Espírito Santo ameaçaria o recorde esperado para a safra total nacional, prevista pelo governo no início do ano em até cerca de 52 milhões de sacas, numa projeção embasada na recuperação das produtividades das lavouras do café arábica após dois anos de seca em Minas Gerais, o maior produtor brasileiro.

A maior colheita da história do Brasil, o maior produtor e exportador global, segundo levantamentos do governo, foi obtida em 2012, quando o país registrou 50,8 milhões de sacas.

"O grão está muito pequenininho", disse o líder da Cooabriel, ressaltando que praticamente 5 por cento dá área já foi colhida na região da cooperativa, com sede em São Gabriel da Palha.   Continuação...