Escândalo da Mitsubishi aumenta e reguladores dos EUA buscam informações

sexta-feira, 22 de abril de 2016 08:55 BRT
 

Por Naomi Tajitsu e Chang-Ran Kim

TÓQUIO (Reuters) - O escândalo de economia de combustível da Mitsubishi se ampliou nesta sexta-feira, com as autoridades de segurança automobilística dos Estados Unidos dizendo que buscam informações sobre o caso e após reportagem mostrar que a montadora divulgou dados enganosos de pelo menos um modelo a mais do que revelado.

A sexta maior montadora japonesa admitiu nesta semana ter exagerado sobre a eficiência do consumo de combustível de 625 mil carros, retirando cerca de 40 por cento de seu valor de mercado, ou 3,2 bilhões de dólares em três dias.

As revelações também levaram as autoridades japonesas a realizarem buscas em uma de suas instalações de pesquisa e desenvolvimento, enquanto a agência de classificação de risco Standard & Poor's alertou que seu rating pode ser rebaixado ainda mais para o grau especulativo.

Somando-se aos temores de que o escândalo vá levar a inflados custos de compensação e multas, altas autoridades japonesas disseram que a Mitsubishi pode ter que reembolsar consumidores e o governo se as investigações descobrirem que os veículos não eram tão eficientes quanto anunciado.

O ministro dos Transportes, Keiichi Ishii, disse em uma coletiva de imprensa que quer que a companhia avalie a possibilidade de comprar de volta os carros em questão, enquanto outro ministro afirmou, segundo a mídia, que o governo pode pedir que ela pague por qualquer subsídio para carros elétricos garantidos aos consumidores.

A mídia japonesa noticiou que a Mitsubishi divulgou dados enganosos de quilometragem de seu carro elétrico i-MiEV, que também é vendido no exterior. Modelos envolvidos no caso, segundo o divulgado anteriormente, são comercializados especificamente no Japão e a companhia admitiu ter manipulado suas leituras de economia de combustível.

A Mitsubishi disse que podem haver outros modelos, além dos já revelados, que violam as regulações japonesas. Um porta-voz disse nesta sexta-feira que a empresa ainda está analisando estes modelos.

Uma autoridade da Administração Nacional de Rodovias e Segurança de Tráfego dos EUA afirmou à Reuters que o regulador pediu à Mitsubishi informações sobre veículos vendidos no país.

Mas ele se recusou a comentar sobre quais modelos pediu as informações ou se também pediu dados de outras montadoras.