Produção da Petrobras em Campos atinge níveis de 2004; analistas desconfiam de meta

sexta-feira, 22 de abril de 2016 15:24 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O volume de petróleo produzido pela Petrobras na Bacia de Campos perdeu ainda mais relevância no total extraído no país em março, ao atingir níveis de 2004 e início de 2005, contribuindo para uma queda da extração no Brasil maior que a esperada por analistas.

Apesar de a empresa dizer que o recuo da produção é explicado por paradas para manutenção e confirmar a meta prevista para o ano, analistas levantam dúvidas sobre a capacidade de a companhia cumprir os volumes estimados para 2016.

A petroleira produziu no Brasil 1,94 milhão de barris de petróleo por dia em março, queda de 8 por cento em relação ao mesmo mês de 2015 e recuo de 3 por cento ante fevereiro, segundo dados publicados na quarta-feira.

Do volume produzido, 1,24 milhão de barris de petróleo por dia (bpd) foram na Bacia de Campos, queda de 18 por cento ante o mesmo mês do ano passado. O montante não era visto desde o fim de 2004 e início de 2005.

No primeiro trimestre foram extraídos 1,98 milhão de bpd no país, queda de 8 por cento ante o mesmo período do ano passado. Do volume total, 1,3 milhão foram extraídos da Bacia de Campos.

Excluindo a Bacia de Campos, a Petrobras produziu no mar, no acumulado deste ano, 496,9 mil bpd, enquanto a média de 2004 foi de 38,3 mil bpd, o que reforça a redução da importância da região, ainda a maior produtora do país.

Os baixos volumes acontecem apesar do crescente crescimento da produção do pré-sal, nas bacias de Campos e Santos, onde a estatal e suas sócias produziram 884 mil de bpd em março, alta de 1,2 por cento em relação ao mês anterior.

  Continuação...