25 de Abril de 2016 / às 20:42 / um ano atrás

Bovespa recua pelo 3º pregão seguido com commodities e cena corporativa no radar

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou com o seu principal índice em queda pelo terceiro pregão seguido nesta segunda-feira, na esteira do quadro externo desfavorável, particularmente o recuo dos preços das commodities.

Com agentes financeiros no aguardo de novos desdobramentos políticos, o noticiário corporativo local também repercutiu, com destaque para o resultado de Usiminas e o acordo para reestruturação de dívida da Oi.

O Ibovespa caiu 1,98 por cento, a 51.862 pontos.

O volume financeiro somou 5,77 bilhões de reais

Do front político, agentes financeiros repercutiram movimentos do fim de semana ligados a uma eventual nova equipe econômica caso a presidente Dilma Rousseff seja afastada pelo Senado Federal.

Entre os nomes que ganharam força nos últimos dias para integrar a equipe econômica de um eventual governo do vice-presidente Michel Temer, estão o do ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles e do senador José Serra (PSDB-SP).

No exterior, os pregões em Wall Street também refletiram alguma cautela antes da reunião do Federal Reserve (FED) nesta semana. A previsão é de manutenção dos juros, mas não se descarta ajustes no comunicado.

DESTAQUES

- PETROBRAS fechou com as preferenciais em queda de 4,31 por cento, diante da queda dos preços do petróleo. Os papéis seguem influenciados por expectativas políticas.

- VALE encerrou com as preferenciais em baixa de 7,51 por cento, em nova sessão de forte queda, alinhada a suas pares no exterior diante do declínio dos preços do minério de ferro à vista na China.

- USIMINAS caiu 10,38 por cento, em sessão de forte correção negativa em siderúrgicas, mesmo após a companhia divulgar que reduziu o prejuízo líquido para 151 milhões de reais no primeiro trimestre e que vê espaço para elevar preços em maio. Também pesou decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) de permitir que a rival CSN indique membros para Conselho da Usiminas em assembleia no próximo dia 28.

- BB SEGURIDADE, que reúne as participações do BANCO DO BRASIL em seguros e previdência, recuou 7,41 por cento, também entre os destaques negativos do Ibovespa. Analistas citaram em notas a clientes que os números de março da indústria de seguros apurados pela Susep abrem espaço para piora nas estimativas para o resultado do primeiro trimestre.

- BRADESCO recuou 2,31 por cento e ITAÚ UNIBANCO cedeu 0,88 por cento, pressionando o índice dada a relevante fatia que detêm na carteira. O setor bancário como um todo sofreu nesta sessão com o quadro desfavorável às ações brasileiras.

- LOCALIZA cedeu 1,47 por cento e LOJAS RENNER recuou 1,22 por cento, antes da divulgação de seus resultados trimestrais, previstos para após o fechamento do pregão.

- OI saltou 9,76 por cento, no melhor desempenho do Ibovespa, tendo avançado 20,7 por cento na máxima do dia, após acordo para que a Moelis & Company assessore um grupo de detentores de bônus emitidos pela operadora de telecomunicações e algumas afiliadas com vistas à reestruturação da sua dívida.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below