Japão busca mais trabalhadores estrangeiros, desafiando tabu de imigração

terça-feira, 26 de abril de 2016 09:38 BRT
 

Por Linda Sieg e Ami Miyazaki

TÓQUIO (Reuters) - Buscando desesperadamente um antídoto para o rápido envelhecimento da população, as autoridades japonesas estão explorando maneiras de atrair mais trabalhadores estrangeiros sem chamar isso de uma "política de imigração".

A imigração é uma matéria sensível em um local onde conservadores prezam pela homogeneidade cultural, e onde políticos temem perder votos de trabalhadores preocupados com a perda de seus empregos.

Mas um mercado de trabalho apertado e a força de trabalho em constante encolhimento estão fazendo com que a equipe do primeiro-ministro, Shinzo Abe, e parlamentares considerem a opção politicamente controversa.

Sinalizando a mudança, lideranças de um painel do Partido Liberal Democrático (PLD) propuseram nesta terça-feira a expansão dos tipos de empregos abertos a estrangeiros, e a duplicação de seu número ante os níveis atuais de quase 1 milhão.

O ligeiro aumento econômico desde que Abe assumiu em dezembro de 2012, a reconstrução após o tsunami de 2011 e a alta do setor de construção antes da Olimpíada de Tóquio em 2020 impulsionaram a demanda por trabalho ao maior nível em 24 anos.

Isso ajudou a aumentar o número de trabalhadores estrangeiros em 40 por cento desde 2013, com chineses correspondendo por mais de um terço destes, seguido por vietnamitas, filipinos e brasileiros.