Salto nas provisões para calotes pesa no lucro no Bradesco no 1º tri

quinta-feira, 28 de abril de 2016 08:48 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - Um forte aumento nas despesas para perdas com calotes levou o Bradesco a ter entre janeiro e março a primeira queda sequencial no lucro em mais de quatro anos, evidenciando o crescente peso da recessão no país sobre o setor bancário.

O segundo maior banco privado do país anunciou nesta quinta-feira que seu lucro recorrente do período somou 4,113 bilhões de reais, queda de 3,8 por cento ante mesma etapa de 2015 e de 9,8 por cento sobre o trimestre anterior. O número também veio abaixo da previsão média de analistas ouvido pela Reuters, de 4,3 bilhões de reais.

O lucro líquido contábil da instituição ficou em 4,12 bilhões, queda de 2,9 por cento sobre um ano antes e 5,3 por cento menor do que no período imediatamente anterior.

Numa frente, o estoque de crédito total do Bradesco teve expansão zero em 12 meses encerrados em março, a 463,208 bilhões de reais, movimento pressionado sobretudo por menores empréstimos a empresas.

Em outra, o banco viu a qualidade da sua carteira piorar pelo quinto trimestre consecutivo, com o índice de inadimplência acima de 90 dias chegando a 4,2 por cento, o pico em quase quatro anos. Um ano atrás, o índice tinha sido de 3,6 por cento.

E num cenário de recessão continuada, o banco decidiu fazer uma provisão para perdas esperadas com calotes de 5,448 bilhões de reais, volume 30 por cento maior na base sequencial e um salto de 52,2 por cento sobre o primeiro trimestre de 2015.

Com isso, a rentabilidade anualizada sobre o patrimônio líquido médio, índice que mede como um banco remunera o capital de seus acionistas, ficou em 17,5 por cento, queda de 3 pontos percentuais nas comparações mensal e anual. Foi o pior desempenho em pelo menos uma década.

O banco ainda viu um declínio de 2,9 por cento nas receitas com tarifas e serviços sobre um trimestre antes, para 6,405 bilhões de reais, embora ano a ano, o montante tenha crescido 11,5 por cento.

Por fim, as despesas administrativas e de pessoal somaram 7,87 bilhões de reais no primeiro trimestre, queda de 6,5 por cento sobre o final de 2015 e alta de 11,1 por cento contra um ano antes, índice acima da inflação acumulada no período.

 
Logo do Bradesco em agência do banco em Osasco. 03/08/2015 REUTERS/Paulo Whitaker