Buffett defende seus investimentos; diz que Berkshire ficará bem com Hillary ou Trump

sábado, 30 de abril de 2016 17:30 BRT
 

OMAHA (Reuters) - O bilionário Warren Buffett defendeu neste sábado vários investimentos grandes ou complicados da Berkshire Hathaway, incluindo aqueles na Coca-Cola e na companhia ferroviária BNSF, e disse que o conglomerado poderá ficar bem com a vitória da democrata Hillary Clinton ou do republicano Donald Trump nas próximas eleições.

Falando a dezenas de milhares de acionistas da Berkshire em reunião anual em Omaha, Nebraska, Buffett e o vice-presidente Charlie Munger também falaram sobre muitas outras questões, incluindo a eleição presidencial dos EUA em 2016, os riscos nos mercados de derivativos e grandes perdas em um fundo.

Buffett, um defensor da democrata Hillary Clinton para a Presidência dos EUA, foi questionado sobre o impacto regulatório para a Berkshire se o principal candidato republicano, Donald Trump, vencer a eleição.

"Isso não vai ser o principal problema", disse ele, tirando risos da plateia, dizendo ainda que a Berkshire "ficará bem" com a vitória de Trump ou de Hillary.

Buffett também divulgou os resultados preliminares do primeiro trimestre da Berkshire.

Ele disse que o lucro líquido do conglomerado provavelmente subirá 8 por cento, ajudado por ganhos decorrentes da troca de ações da Procter & Gamble Co pelo negócio de baterias da Duracell.    No entanto, o lucro operacional provavelmente cairá 12 por cento, segundo Buffett

Ele disse que a ferroviária BNSF foi prejudicada pela queda dos preços do petróleo e dos embarques de carvão, enquanto tempestades de granizo causaram perdas para as unidades de seguros da Berkshire.

A Berkshire detém perto de 90 empresas de energia, seguros, indústrias, ferrovias, varejo e outros setores, com investimentos de mais de 100 bilhões de dólares em ações.    Na reunião, Buffett e Munger receberam dezenas de perguntas dos acionistas, analistas e jornalistas.    Buffett refutou preocupações levantadas por um acionista sobre a participação de cerca de 9 por cento da Berkshire na Coca-Cola, que vende bebidas açucaradas.

Buffett, que consome 700 calorias de Coca-Cola por dia, disse que parecia errado culpar a bebida sozinha pelo aumento do nível de obesidade.

"Eu escolhi para obter as minhas 2.600 ou 2.700 calorias por dia as coisas que eu me sinto bem ao comer"

(Por Jonathan Stempel e Trevor Hunnicutt)